Pedido de vista suspende julgamento sobre financiamento de campanhas eleitorais

Pedido de vista do ministro Teori Zavascki suspendeu o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4650, por meio da qual o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) questiona, no Supremo Tribunal Federal (STF), dispositivos da Lei das Eleições (Lei 9.504/1997) e da Lei dos Partidos Políticos (Lei 9.096/1995), que tratam de contribuições de pessoas jurídicas e pessoas físicas para campanhas eleitorais e partidos.

Na sessão desta quinta-feira (12), os ministros Dias Toffoli e Roberto Barroso votaram pela procedência da ação. Eles seguiram o voto do relator do caso, ministro Luiz Fux, e do presidente da Corte, ministro Joaquim Barbosa, que haviam se manifestado na sessão de ontem.

Os ministros que votaram até o momento consideraram inconstitucional o financiamento eleitoral por empresas privadas, e também a forma como está regulamentado o financiamento por parte de pessoas físicas, estipulado em 10% do rendimento bruto do ano anterior ao pleito.

Para o ministro Toffoli, permitir o financiamento de campanhas por pessoas jurídicas é conceder a quem não tem direito a voto uma forma alternativa e mais eficaz de participar do processo eleitoral. Ao se manifestar no mesmo sentido, o ministro Roberto Barroso disse entender que “o atual sistema eleitoral não serve bem ao país”.

Fonte: STF

Programa Xeque Mate começa nova temporada

Bastidores de gravações do Xeque Mate na TV Babitonga - foto Gi Rabello/2012

Há quase um ano aceitei o desafio de fazer televisão. Proposta feita pelo amigo Roger Santos, que iniciava a TV Babitonga Canal 9 da NET Digital para a região de Joinville (SC), foi aceita e desde então tentamos realizar todas as segundas e quintas-feiras às 21 horas, o melhor programa de entrevistas. O programa Xeque Mate ousa pelo seu formato diferenciado, frente a frente entrevistado e entrevistador, buscando a informação mais precisa, aquilo que o telespectador quer saber, mas não pode perguntar.

Após uma parada de descanso, voltamos hoje com novas entrevistas, porque até então a TV Babitonga estava reexibindo alguns dos programas realizados em 2012. Na entrevista desta noite, 21 horas, vamos saber mais sobre o Museu da Bicicleta de Joinville, o MUBI, que esteve fechado por quase dois anos. Era o único existente na América Latina e um dos poucos existentes no mundo. A promessa é de volta agora em março, nos festejos de aniversário da cidade. O idealizador e amante da história da bicicleta, Valter Bustos, é o entrevistado. Historiador, jornalista free-lance, Valter é também um polemizador do meio urbano, da falta de mobilidade.

Na próxima quinta-feira, 7 de fevereiro, o tema será a pequena e microempresa. Mulher empreendedora, advogada e agora presidente da Ajorpeme, maios associação empresarial do país com sede em Joinville, Cristiane Schramm vai nos brindar com sua história profissional, falar sobre a entidade que reúne o motor da economia nacional. Se você quiser participar com a gente, mande suas sugestões de pautas, entrevistas, temas interessantes. Ajude a fazer o Xeque Mate, com sua ajuda fica tudo mais fácil!

Vamos ver o que sairá deste “xeque-mate” de hoje? Conto com vocês, 21 horas na TV Babitonga Canal 9 da NET Digital em Joinville. Quem não tiver NET, ou não tenha ainda o sistema digital, pode assistir pela internet em www.babitonga.tv.net. Até mais!

 

 

Dívidas da Prefeitura de Joinville: fornecedores tem até sexta-feira (25/1) para apresentar contas

Fornecedores de produtos, serviços ou obras da Prefeitura de Joinville têm até esta sexta-feira, dia 25, para apresentarem informações sobre o que ainda restam a receber do que foi realizado até dezembro de 2012 ou contratos ainda em andamento. As informações serão conciliadas com os dados internos da Prefeitura para programação dos pagamentos e fechamento do Balanço de 2012, que deve ser apresentado ao Tribunal de Contas até o dia 28 de fevereiro.

Os fornecedores não precisam se dirigir à Prefeitura. As informações devem ser enviadas por carta ou e-mail para a Secretaria da Fazenda pelo endereço eletrônico fazenda@joinville.sc.gov.br, destacando como assunto “Balanço 2012”.

O secretário da Fazenda, Nelson Corona, explica que o encontro das informações dos fornecedores com os controles internos da Prefeitura é importante para o fechamento do balanço de 2012 com segurança, fidelidade dos números e programação dos pagamentos.

Entre os cerca de 500 fornecedores da Prefeitura, a Secretaria da Fazenda estima que 180 estão com contratos em andamento ou valores a receber. Até esta semana, 60 haviam prestado informações. Do total da dívida calculada até agora em R$ 120 milhões herdada pelo atual governo, R$ 54 milhões são devidos a fornecedores.

Para ampliar a convocação, a Secretaria da Fazenda enviou circular a todas as secretarias municipais para ampliarem a informação junto aos fornecedores. Na circular é enfatizada a importância de indicarem números de notas fiscais ou empenhos, datas e valores.

Da Prefeitura de Joinville

PSDB é partido associado a ricos e está em queda, aponta pesquisa do Ibope

Tucanos com muito trabalho pela frente...

Pesquisa do Ibope divulgada neste domingo confirma a tendência percebida nas urnas pelo PSDB, de se transformar em um partido associado aos mais ricos e em queda no total das preferências do eleitorado. Segundo a sondagem publicada no diário conservador paulistano O Estado de S. Paulo, os tucanos são apontados como a sigla preferida de 23% dos entrevistados com renda familiar superior a dez salários mínimos.

Neste estrato, o PT foi de 23% em 1995 a 35% em 2001, caindo a 13% em outubro do ano passado, mês em que foi realizado o levantamento. No geral, porém, os petistas se mantêm bem à frente dos adversários, e os tucanos demonstram queda acentuada em todas as regiões. 24% dizem ter como sigla o Partido dos Trabalhadores, contra 6% do PMDB, em recuo desde a redemocratização, em 1985, e 5% do PSDB. Por região, o PT é indicado como partido preferido de 27% dos nordestinos, e tem 26% entre os moradores do Sudeste, 22% no Sul e 11% no Norte e no Centro-oeste.

Quando se leva em conta os dados econômicos, a pesquisa Ibope simplesmente confirma a tendência flagrada pelo cientista político André Singer, professor da Universidade de São Paulo (USP). Singer vem demonstrando que após a chegada ao Palácio do Planalto o PT passou a conquistar a simpatia entre os estratos mais baixos de renda, ao passo que o caso do “mensalão”, em 2005, significou um afastamento das classes mais altas.

No final do ano passado, 56% dos brasileiros diziam não nutrir preferência por nenhuma sigla. Na primeira pesquisa, feita 24 anos antes, 61% dos entrevistados indicavam predileção por algum partido. No geral, todos apresentaram queda. O PT caiu nove pontos desde 2010, segundo o Ibope, quando 33% afirmaram preferência pela legenda do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O PSDB, porém, foi o que apresentou a queda mais dramática nas preferências. De 1995 a 2012, foi de 14% para 7% no Sudeste, tradicional reduto de políticos tucanos alçados ao plano nacional, especialmente São Paulo e Minas Gerais. Ainda assim, estes estados parecem continuar concentrando a base mais importante para a sigla de Fernando Henrique Cardoso, já que os patamares de preferência baixam a 5% no Norte e no Centro-oeste, 4% no Nordeste e 3% no Sul.

Do Correio do Brasil

 

Os novos inquilinos da “casa arrumada”

Como eu previa, sabia que alguns petistas iriam me crucificar diante do post “Casa arrumada”. Emissários escreveram no Face que eu isso, aquilo, não tenho conhecimento técnico, só falo do PT, etc. Já era esperado. Eles não leem aquilo que os afeta, aflige, ou que mostra contradições. Mas isso acontece também com outros partidos, outros personagens, enfim, é da natureza humana, das entidades, uma espécie de defesa. Normal. Mas, se eles lessem também, com igual interesse, as postagens que falam dos acertos, quem sabe não escreveriam algumas barbaridades.

Antes que digam, “ah, agora ele escreve do Udo, do PMDB”, já aviso também! Esse texto já estava previsto no retorno do Blog à ativa em 2013. Sim, porque aqui busca-se ao máximo a igualdade de opiniões, deixando o leitor com as suas opções. Dias atrás postei, também no Face, sobre a vinda da BMW, se ainda estava de pé, se alguém sabia de algo. Pois não é que veio o presidente do PMDB já me acusando de ser mais afável ao PT, planalto, etc? É amigos, assim é a vida quando se é jornalista e emite opiniões, ou como neste caso, apenas pergunta para que saibamos de algo. Que fazer, perguntar é o nosso ofício!

Mas vamos aos novos inquilinos da “casa arrumada”. Em que pese a herança ser nada boa, o prefeito Udo Döhler deve ter constatado algo sério diante da sua experiência empresarial: a falha de análise dos dados da equipe de transição que o deixou de calças curtas, tendo de reconhecer ter sido surpreendido pela falta de recursos para pagamento dos salários de dezembro. Com dois meses para analisar dados, fazer cálculos – técnicos que entendem do assunto constatariam isso – esse quadro não poderia ter ocorrido.

Ou será que houve acordo para não divulgação? Ou a administração Carlito sonegou dados fundamentais? Mas se sonegou as informações, porque a equipe de transição não denunciou, cobrou? Mais que isso são os boatos que surgem de que a dívida seria superior a R$ 200 milhões, talvez mais. Isso não foi constatado nos calhamaços de relatórios? Ou os relatórios ainda são furados, feitos em excel, sem sistema confiável e moderno, como o governo Carlito afirma que pegou de Tebaldi, e garante que tinha modificado esse quadro?

Diferente de Carlito Merss, Udo está muito bem na comunicação até aqui. Foi transparente, age com rapidez na oferta de informações aos jornalistas, e uma estratégica de mostrar que o novo governo está acelerando e trabalhando das seis às 24 horas sem almoço – cultura empresarial? – está funcionando. Mas é fato que a lua de mel pode acabar ali na frente. As ruas estão tomadas por buracos. O mato invade as ruas e praças, o Parque da Cidade está abandonado aos vândalos, obras fundamentais estão paralisadas e sem que as pessoas saibam o que será feito. As obras dos novos parques, saneamento, programa habitacional que deve continuar, e mais as prometidas, tem de andar. Governar é dureza… talvez se descubra que é tão ou mais difícil que gerir uma empresa.

Quanto à equipe, parece ser boa, com nomes já conhecidos e experientes, e alguns desconhecidos mas certamente com indicações de peso, talvez de empresários, de senadores… Mas será que não temos na maior cidade catarinense profissionais ou técnicos preparados para assumir funções como na Fundema, Administração. A Educação continuará nas mãos da Sociesc, digo, Roque Mattei que é oriundo da entidade educacional, assim como já foi por muitos anos com Sylvio Sniecikovski. Penso que temos sim gente experiente o suficiente, tanto que a maioria do secretariado é da gema, ou vive e atua há anos na cidade, e portanto, a conhece muito bem.

Para sorte do governo Udo, vem aí o Carnaval para dar um breque nas pressões e cobranças da população, e também da base aliada. Sim, a base aliada chegou à totalidade da Câmara de Vereadores de Joinville, o que convenhamos, não é bom para a democracia, a transparência, a lisura dos atos. A base aliada quer por que quer cargos no Executivo, além dos que tem no Legislativo. Segundo eles, para dar “sustentação” ao governo, é preciso participar. Os vereadores, eleitos pelo voto popular, portanto com mandato conferido pelos cidadãos, vão se dobrar à força da imagem de Udo empresário, ao poder econômico de onde o Prefeito é oriundo? Terão medo de denunciar, cobrar, fiscalizar?

De parte do Blog Palavra Livre, o acompanhamento será uma constante. Há promessas de grande porte que serão cobradas, porque a cidade realmente precisa ser arrumada em todos os seus setores. Mas há uma dúvida que ficou com essa falta de pagamento em dia dos servidores municipais, e das contas que surgem a cada dia: será que a equipe que não viu o furo, vai dar conta do recado? Tomara que sim, pelo bem da cidade. Porque à primeira vista Udo tem longos quatro anos para arrumar tudo e deixar um brinco, mas quatro anos passam tão rápido, tão rápido… que o diga Carlito Merss.

Casa arrumada?

Eu sei, eu sei, alguns petistas vão dizer: ele é da direita, ataca o Carlito, sempre foi PMDB, etc, etc. Mas é que diante dos fatos, notícias e números, além de informações de minhas fontes – de credibilidade intocável, já adianto – não há como voltar ao tema do Governo Carlito Merss, do PT. Eis que o prefeito Udo assume e ao pegar as chaves do cofre descobre que… não há dinheiro para pagar integralmente e sem atrasos os salários dos servidores… o que é isso companheiros? E que justiça seja feita a este blogueiro, que adiantou via Facebook que a dívida superaria os R$ 100 milhões. Nem os grandes jornais adiantara essa informação. E agora já digo, vai superar mais, mais…

Tanto é verdade que não houve negativas por parte do governo Carlito sobre esse fato, caixa vazio para honrar compromissos sagrados como salários de trabalhadores. Mais que isso, a dívida já anunciada chega a R$ 120 milhões… por enquanto. Sim, por enquanto porque fontes deste Blog já visam que pode ultrapassar a marca dos R$ 200 milhões… o que é isso companheiros? Total descontrole, descaso, ou incompetência mesmo? Porque não vou entrar em méritos diferenciados… não creio em desvios… e torço para que a conta não seja tão expressiva. Mas, o que esperar agora?

O prefeito Carlito dizia que em seu segundo mandato, com a “casa arrumada”, seria um canteiro de obras. Se a casa arrumada é isso que encontrou a nova equipe de Udo, o modelo de casa arrumada petista, ou pelo menos do governo Carlito, está mais para sub-moradia…  Como já disse em textos anteriores neste Blog, a estrela petista saiu incrivelmente destruída deste pleito de 2012! Carlito além de deixar dívida gigante, deixa o caixa vazio para pagar salários em dia… ou seja, deixa pior do que ele mesmo dizia ter recebido de Marco Tebaldi… Este pelo menos deixou grana para pagar salários dos servidores no primeiro ano! O que é isso companheiros…

A reconstrução da sigla ensejará muito esforço dos militantes, com uma mudança radical no diretório e executiva. Abrir as janelas e deixar que novos ares tratem de afastar ácaros raivosos, teias de aranha, e toda sorte de situações para que um novo PT surja. Sim, porque a democracia precisa, e Joinville precisa de partidos fortes, com gente preparada para fazer política com P maiúsculo.

Ah, e antes que me acusem de escrever sem saber da realidade do partido, adianto: a tristeza com o quadro é tamanha que filiados antiguíssimos ameaçam abandonar a estrela petista caso a “casa” não seja reformada e restaurada com bases em premissas de outrora. Casa arrumada? Por favor! Que o prefeito Udo pegue esse touro à unha e o mantenha sob controle. Joinville precisa deixar a sua casa verdadeiramente “arrumada”, sem maquiagens.

Agradecer

Gratidão. É isso que sinto por mais um ano de batalhas vencidas e perdidas, de vida vivida intensamente em todos os aspectos. Gratidão. Como não ser grato pela saúde que tenho, pelos meus filhos, minha esposa e companheira Gi Rabello, pela minha Rayssa, pela saúde que minha mãe Isolde tem e, com isso, compartilha sua vida conosco? Como não ser grato pelo trabalho que tenho, pelas oportunidades vividas e que virão, pelos amigos que fiz, pelos que perdi, pelos que ainda virão? Como não agradecer as dificuldades, as dores que tive e tenho, as ingratidões, traições, erros ? Gratidão. Palavra que diz tudo. Sentimento que exprime o melhor do humano, e que atrai somente coisas boas.

Este ano tive perdas como todos tem, não é mesmo? No inicio dele me vi excluído de escrever em um jornal local os perfis que me davam um enorme prazer, pelo que traziam de humano, de vida, de dores e vitórias. O dinheiro não dava nem para as despesas, mas o prazer de ouvir as pessoas e suas histórias de vida, e transcrever o máximo em dois mil caracteres, valeu tudo! Mas depois lancei em companhia de Marco Schettert, pela segunda vez, o livro “Na Teia da Mídia – A Família Plocharski e o caso Maníaco da Bicicleta” na livraria Curitiba. Livro que conta uma história triste, real, que mostra o quanto podemos fazer mal a alguém por pressões, exibicionismo, ansiedade, pressa. Erros que custaram uma vida. Faz um ano que lancei o livro. Ganhei um novo filho, este livro, mas perdi uma grande amiga, personagem dele, neste ano.

Dona Marli Plocharski, mãe de Aluísio Plocharski, vítima dos erros da imprensa e da polícia, nos deixou em julho deste ano após longos anos de luta contra a depressão que o caso trouxe à família. Amiga de todas as horas, das mais ruins às mais alegres, visita esperada, ou o telefonema pedindo a nossa presença, e na presença a entrega do struddel, da sardinha recheada… de amor e carinho. Talvez tenha sido uma das grandes perdas da minha vida. O vazio que essa amizade deixou é irreparável. Estive na sua casinha de madeira no Atiradores, onde os pássaros cantavam muito entre nossas entrevistas. Falei com seu Ludovico, o viúvo, porque não posso deixar de agradecer. Sei que ele está sempre por lá, e por entre nós. Obrigado dona Marli, Deus e os anjos é que a tem em boa companhia.

Depois me chega um convite inusitado: vamos fazer um programa de TV? Roger Santos me veio com essa ao começar um novo projeto com a TV Babitonga Canal 9 da NET Digital. Pensei, ponderei, conversei. Nunca tinha feito televisão em frente às câmeras, sempre nos bastidores como assessor de imprensa. Topei. Estreei em 28 de junho com entrevista especial do prefeito Carlito Merss, no limite da lei eleitoral. No programa Xeque Mate já passaram várias personalidades, personagens que tem algo a dizer de relevante para a cidade e região. Agradecer, é isso, sempre agradecer. Creio que as pessoas gostaram, e espero continuar o Xeque Mate em 2013 se assim for o desejo das energias do universo.

E tem mais. Como bom geminiano, voltei às lutas eleitorais. A convite, entre tantos que recebi e neguei, da advogada Roberta Schiessl, produzi seu plano de comunicação para as eleições deste ano, onde teria como atribuição cuidar da comunicação. Acabei coordenando a campanha com a famosa “onda lilás”, que pensei ser um meio de tornar a candidata conhecida. Muitas dificuldades como toda campanha a vereadora, mas o resultado foi de quase dois mil votos, assustando adversários e a colocando como a mulher petista mais votada até hoje. Agradecer, sempre agradecer. Esta campanha mostrou novamente que sou um bom estrategista, e bom executivo. Agradecer sempre.

E durante todo o ano, muitas outras coisas boas aconteceram, projetos que empreendi como free-lance, vários deles. Mudamos o site do Sindicato dos Mecânicos a quem assessoro há anos, mantive atualizado e ativo este Blog Palavra Livre que vai completar cinco anos em abril de 2013. Interagi muito com meus artigos no Blog via Facebook e Twitter, estabelecendo novos amigos, colegas, negócios. Muitos dos quais acontecerão durante 2013, com a graça divina. Penso que o Criador sempre te dá algo de bom mesmo nos momentos mais agudos da vida. Cabe a nós perceber, e se utilizar da melhor forma das marcas que esses acontecimentos nos dão. Tenho exercitado muito isso. Gratidão. Agradecer é tudo.

Finalizo o ano feliz, com saúde e com sonhos e planos para realizar. Finalizo o ano agradecendo e sendo grato a tudo e a todos que tive a honra e o prazer de conhecer, ajudar, brigar, trabalhar, criar, viver. Agradeço principalmente à minha família na pessoa da minha amada Gi Rabello, mulher que sempre está ao meu lado para tudo, no amor, na dor, nas pressões, nas tristezas, nas chateações, nas viagens, nas alegrias, meu suporte leal e sincero que mudou minha vida para muito melhor há quatro anos. A ela o meu maior desejo de saúde, paz, sucesso e felicidades que é o mesmo que desejo à minha mãe Isolde e a minha filhota Rayssa. E que desejo aos meus filhos Gabriel, Lucas e João Pedro, mesmo distantes. Porque agradecer é preciso, viver não é preciso, viver é simplesmente…. viver!

Feliz Natal a todos e todas que acompanham este Blog comentando ou não o que divulgamos aqui. E que 2013 venha com muita luz, energias positivas, saúde, paz, sucesso e oportunidades! Boas Festas! O Blog Palavra Livre volta no próximo ano com novidades e ainda mais forte, abraços e até lá!

 

Governo Carlito encerra melancólico, dívidas devem chegar aos R$ 100 mi

Não vou escrever muito sobre o fim do governo Carlito Merss (PT) em Joinville (SC). Até porque já escrevi muito sobre o que levou o governo da esperança ao naufrágio da quase totalidade do navio. Poucos sobraram com performances acima da média, isso em relação aos cargos de primeiro escalão. Pouquíssimos. Os demais, bom, estes seguiram determinações de cima e nem sempre tiveram o discernimento de ver os erros que se cometiam, equívocos graves que levaram ao naufrágio. Perdeu a eleição, perdeu a segunda eleição, perdeu a esportiva. Perdeu o lustro.

O final do governo Carlito é quase vexatório, para dizer pouco. Pararam obras de saneamento, obras nas escolas e biblioteca, o mato cresce nos canteiros, e a dívida que deixará para o futuro governo Udo Döhler, contam as andorinhas que sobrevoam pela transição – transição? – não será pequena. Ficará entre R$ 50 e R$ 100 milhões, com mais tendência ao segundo número. Para quem cantava em verso e prosa fazer diferente, e que havia pego a Prefeitura com mais de R$ 100 milhões em dívidas – não comprovadas até hoje – fica feio demais. Lastimável. E o pior é ouvir dizer que Udo não quis o PT… perderam a eleição e ainda queriam carona… por favor…

Não tenho vergonha de dizer que trabalhei com Carlito Merss e Marquinhos, e fizemos um bom trabalho na comunicação entre 2005 e 2008, tanto que Carlito se reelegeu federal e Marquinhos foi reeleito vereador com dois mil votos a mais que a eleição anterior. Tenho simpatia por ambos, e por mais pessoas da sua equipe. Votei, apoiei e acreditei que seu governo seria um divisor de águas na política local. Infelizmente, desde a formação da sua equipe de governo, e depois na segunda formação, suas escolhas foram ruins em 80% dos casos. O resultado é esse que vimos, o que deixa momentaneamente a política mais pobre.

Que o PT local tenha sabedoria e discernimento para reerguer a bandeira, abrindo as janelas para que novos ares cumpram sua missão de renovar, resgatar e fazer uma política maior. Para o bem da cidade, que merece partidos fortes e combativos.

STF, Congresso e Mensalão

Já faz algum tempo acompanho essa criação midiática chamada “mensalão”. Digo midiática porque entendo do riscado, pois atuo na área há mais de 20 anos. E mais ou menos o mesmo tempo trabalhei em política, e portanto, conheço bem os bastidores tanto do Executivo quanto do Legislativo. Do Judiciário entendo bem por vivência própria. E agora resolvo dar meu pitaco aqui no Palavra Livre.

Em primeiro lugar, se houve mensalão no governo do presidente Lula, do PT, então houve mensalão desde que aqui se instalou a República. Não há governo que não coopte parlamentares em algumas situações, ou para governar, ou para garantir apoio de votos a projetos importantes. Quando a mídia tenta impingir uma história a um partido, o faz de caso pensado. O faz com interesses outros que jamais irá confessar. Aí você vai me dizer: mas não és jornalista, atua nos meios? Sim, sou e trabalho sim, mas sei bem o que é liberdade de imprensa, liberdade de expressão, e liberdade dos “donos da imprensa”, essa última sim vale forte, e mais que outras.

Esse caso “mensalão”, conforme tentam fazer ao povo brasileiro crer, não passa de financiamento de partidos políticos para manter composição de governo. Somente isso. É ilegal, claro que é! Mas é o que fizeram, fazem e farão todos os partidos para lutar pelo poder em base municipal, estadual e federal. Mas o Brasil é hipócrita, finge que acredita, fala de corrupção ao mesmo tempo que se ocupa de pedir um “favorzinho” a esse ou aquele político. Portanto, o STF julgou uma coisa que não existe. Porque se existisse “mensalão” para votar todos os projetos de interesse do governo, esse país teria mudado muito mais rápido. E não é isso que vimos.

Agora, após fazer o serviço pedido pela mídia, os barões da mídia conservadora, o STF resolve também investir nas prerrogativas do outro poder, o legislativo! Além de julgar algo com olhos vesgos, ou míopes, nossos ministros de toga querem também cassar mandatos contra o que diz a Constituição Federal. E mais que isso, cria um impasse perigoso, institucional, que pode – esse sim – causar danos à democracia. Democracia essa tão jovem, tão frágil ainda. A quem interessa esse embate institucional?

Quem conhece um pouco da história brasileira, principalmente a política, saberá do que falo agora. Getúlio Vargas foi tão açoitado, tão agredido pelos meios de comunicação conservadores lá pelos idos da década de 1950, que chegou a cometer o suicídio. O que desejavam Carlos Lacerda, jornalista e deputado, e setores militares, das forças armadas? Tomar o poder para “enfrentar o comunismo”. Mesmo com a morte do pai dos pobres, não conseguiram.

Juscelino Kubitschek de Oliveira, o JK, então governador de Minas, se lança na disputa pela Presidência da República. É atacado, denunciado, agredido até em seus atos pessoais. Eleito pelo voto direto e soberano dos brasileiros, eis que a velha mídia ataca, junto com Lacerda e setores das forças armadas para impedir sua campanha, sua vitória, sua posse e até seu governo! O mantra repetido era “JK não pode concorrer. Se concorrer, não pode vencer. Se vencer, não pode tomar posse. Se tomar posse, não pode governar”. Assim foi todo o seu governo, com a mídia conservadora o atacando. Só não conseguiram o impedir de construir Brasília.

Depois, as mesmas criações de fatos levaram nosso país à ditadura tão desejada. Igreja e mídia se uniram para derrotar comunismo, e colocaram o Brasil nas mãos dos militares durante mais de 20 anos. Perseguições, torturas, cassações, fim das liberdades, mortes, desaparecimentos, fase das mais brutais da nossa história. Nesse período houve também corrupção, negociatas, obras gigantescas a preços inimagináveis. Mas ninguém podia falar, e a mídia conservadora manteve tudo por debaixo de panos quentes. Voltamos à democracia com muita luta de gente guerreira, alguns morreram, outros sofreram horrores para que hoje possamos nos manifestar livremente, mesmo que com algumas censuras…

Collor, Itamar Franco, FHC – este o queridinho da mídia… – Lula, Lula, Dilma. O primeiro foi cassado por corrupção – será que foi por isso mesmo? – Itamar era o inconsequente, solteiro, etc. Mas lançou FHC, que virou pai do Plano Real, pai das privatizações que deixaram o país sem soberania de suas terras, bens, pai da compra de votos para a reeleição… mas isso não interessa para a grande mídia. O príncipe foi o “must” para esses senhores. Veio Lula, operário, ex-metalúrgico. Não sabe falar, não sabe nada, pensavam. Eis que Lula ganha as eleições, não sem antes acertar ponteiros com o mercado, claro…

E o metalúrgico governa para os mais pobres. Dá recursos aos miseráveis, cria universidades, retoma o crescimento econômico, inclui milhões de brasileiros com programas sociais. Se reelege contra a mídia conservadora, e ainda faz a sucessora. Dilma. Ex-guerrilheira, etc. Esta, governa ainda melhor diante da crise. Já se avizinha a reeleição da mulher, para desespero de neoliberais. E o pior acontece: Haddad vence Serra na maior cidade brasileira, São Paulo. E agora?

Agora, vamos amplificar o mensalão, condenar duramente, cassar, vamos também pegar o Lula com a delação premiada do Marcos Valério (homem de crédito não é?) e… o que pode vir depois? Esse filme já foi visto antes. E com a anuência do STF pela força militar. Agora, outros tempos, internet, comunicação democratizando cada vez mais, que tal mostrar que a democracia cria corruptos, e quem está no governo é o grupo mais corrupto da história brasileira, e precisamos “limpar” o país? Que tal?

Amigos, sei que crio polêmica com esse post mal escrito, mas é claro o interesse de grupos gigantes da especulação, do neoliberalismo, da mídia conservadora que monopoliza os meios nas mãos de poucos. Esses movimentos que parecem tão singelos, e tão patrióticos são na verdade incitações perigosas para a democracia. O STF tem o dever de guardar a Constituição Federal, e não se impor a ela. Julgaram, condenaram? Feito o serviço! Cassações de mandatos, deixem com o Congresso Nacional, a sabedoria manda isso.

Ditaduras iniciaram assim como vemos agora. Será que queremos isso novamente no Brasil? Eu não, e você?

Udo Döhler anuncia equipe, boa sorte a todos, Joinville precisa do trabalho desse time

O prefeito eleito de Joinville, Udo Döhler (PMDB), anunciou 18 nomes de sua equipe de governo às 17 horas desta quinta-feira. As principais pastas, como saúde, educação, fazenda, administração, entre outras, estão preenchidas.

Confira o currículo de cada secretário anunciado:

Secretário Chefe de Gabinete: Bráulio Barbosa

57 anos, médico e administrador hospitalar. Vereador por três Legislatura (1992-2004), foi secretário municipal de agricultura, meio ambiente e habitação. Foi também secretário estadual de meio ambiente, assistência social, desenvolvimento urbano, desenvolvimento sustentável e secretário-chefe da Casa Civil no governo Luiz Henrique da Silveira. Atual secretário Desenvolvimento Regional de Joinville (SDR). É também diretor-técnico do Hospital Dona Helena.

Secretaria de Saúde: Armando Dias Pereira Júnior

47 anos, médico obstetra, pós-graduado em auditoria e gestão de contas públicas, foi secretário de saúde de Joinville de julho a dezembro de 2008, diretor geral da Maternidade Darcy Vargas, chefe do departamento da saúde da Mulher do Hospital Dona Helena e coordenador do serviço de ginecologia e obstetrícia do Hospital Materno Infantil Dr. Jeser Amarante Faria. É filiado ao PSC onde foi candidato a vereador.

Secretaria de Educação: Roque Mattei

49 anos, formado em matemática pela Univille, bacharel em Engenharia Civil pela Udesc, especialista em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas e mestre em Educação e Cultura pela Udesc. Foi diretor do Colégio Tupy, do Instituto Superior Tupy e da Escola Internacional da Sociesc. Foi membro conselheiro no Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina e presidente do Instituto Joinville. Contato:

Secretaria de Infraestrutura: Romualdo França

49 anos, Engenheiro civil, mestre pela UDESC. Foi secretário do Estado da Infraestrutura e também presidente do Deinfra entre 2003 e 2008 no governo Luiz Henrique da Silveira. Já atuou como presidente da Conurb e foi secretário de Desenvolvimento Regional de Joinville (SDR). É professor universitário pela Udesc.

Promotur: Sérgio Ferreira

39 anos, economista formado na Univille com pós-graduação em Gestão de Pessoas e MBA em Comunicação pelo INPG. Empresário há mais de 10 anos na área de eventos, shows e espetáculos. Foi secretário de turismo na Prefeitura de São Francisco do Sul. Filiado ao PMDB.

Secretária de Comunicação: Marco Aurélio Braga

38 anos, jornalista com pós-graduação em Segurança Pública e Cidadania, foi repórter dos jornais A Notícia e Notícias do Dia. Finalista do prêmio Esso de Jornalismo em 2007, principal premiação jornalística do País, também foi finalista do prêmio Unimed e do Prêmio da Associação dos Magistrados Brasileiros. Foi professor universitário do curso de jornalismo do Bom Jesus/Ielusc, coordenador de jornalismo da rádio Mais FM, trabalhou na RBSTV e foi coordenador da assessoria de imprensa da Secretaria Municipal da Saúde. Não tem filiação partidária.

Secretária de Administração: Miguel Bertolini

44 anos, economista formado da Universidade Federal de Santa Catarina, especialista em Gestão pela Fundação Dom Cabral e MBA em Gestão pela Fundação Getúlio Vargas. Foi consultor de Planejamento da Secretaria Estadual de Comunicação no governo Luiz Henrique da Silveira, consultor geral do gabinete do governador Raimundo Colombo. Sem filiação partidária.

Secretária da Fazenda: Nelson Corona

57 anos, administrador de Empresas, formado pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas e pós-graduado em economia pela mesma Instituição. Profissional com atuação na área financeira em empresas do mercado de capitais, bancos e indústrias de grande porte. Foi secretário da Fazenda de Joinville no período fevereiro de 2006 a dezembro de 2008 e diretor financeiro do Grupo Tupy. Membro do Conselho de Administração da Companhia Águas de Joinville em 2007 e 2008.

Secretaria de Integração e Desenvolvimento Econômico (SIDE): Jalmei Duarte

42 anos, economista formado na UNIVILLE possui MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Trabalhou na Volvo por mais de 7 anos nas áreas de Seguros, Desenvolvimento de Negócios, Inteligência de Mercado e Desenvolvimento de Concessionárias. Trabalhou na Renault, na área de Marketing Pós Venda. É empresário da área de seguros. Foi presidente do Núcleo de Jovens Empresários da ACIJ, na Gestão 2011-2012. É Diretor do Movimento Catarinense para Excelência.   –

Secretaria da Habitação: Fábio Dalonso

39 anos, economista formado na Univille, pós-graduado em gestão estratégica de pessoas, foi oficial do Exército Brasileiro por 10 anos, presidente da Comissão Municipal de Defesa Civil, Diretor Fundação Municipal de Vigilância no Trânsito, vereador (2004-2008), presidente da Câmara de Vereadores (2006-2008), prefeito em exercício por duas vezes e atuação na iniciativa privada. Fui também diretor marketing do Joinville Esporte Clube (JEC) em 2011, período em que o clube foi campeão brasileiro da Série C. Filiado ao PSDB foi eleito vereador na eleição 2012.

Secretaria da Assistência Social: Tânia Eberhardt

60 anos, educadora, servidora pública municipal de 1972 a fevereiro de 2005. Iniciou seus trabalhos na Fundamas. De 1974 a 1993 trabalhou na Secretaria de Bem Estar Social. Secretária de Saúde de 1999 a 2004 e também foi diretora do Hospital Municipal São José. Vereadora de 2005 a 2012.

Fundação de Esporte, Lazer e Eventos de Joinville (FELEJ): Fernando Krelling

30 anos, professor de educação física formado em 2003 na Univille. É pós-graduado em treinamento desportivo também pela Univille. Atua fortemente no futebol amador e é empresário no ramo de academia de ginástica. É filiado ao PMDB e foi candidato a vereador na última eleição.

Ipreville: Márcia Alacon

50 anos, assistente social com especialização em Metodologia do Serviço Social. Servidora Pública Municipal efetiva há 27 anos, tendo atuado nas áreas de assistência Social e Desenvolvimento Comunitário; Gestão de Pessoas e Previdência Social. Atualmente exerce o cargo de Assistente Social no IPREVILLE. É presidente da FUG – Fundação Ulysses Guimarães, instituição vinculada ao PMDB e responsável pela construção do Plano de Governo de Udo Döhler.

Águas de Joinville: Nelson Possamai

Empresário, 61 anos, foi ex-presidente da ACIJ e diretor da FIESC. Dirigiu fábricas da Whirlpool no Brasil e no México

Fundema: Aldo Borges

43 anos, Engenheiro Civil formado na Universidade Regional de Blumenau, com pós-graduação em Engenharia de Produção. Trabalhou na Secretaria de Planejamento da Prefeitura de Massaranduba e era secretário de Planejamento do município de Araquari. É membro participante da Comissão de Defesa do Meio Ambiente de Joinville (Comdema) e participante da Comissão Interinstitucional de Ensino Ambiental de Joinville.

Fundamas: Gilberto Leal

40 anos, advogado e formado em TI, possui especialização em informática (redes) e atualmente está cursando pós-graduação em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. Servidor concursado da Prefeitura Municipal de Joinville, no cargo de Analista de Sistemas. É filiado ao PSC e foi candidato a vereador.

Procuradoria: Luiz Cláudio Gubert

54 anos, advogado, formado em direito pela Faculdade de Direito de Joinville (ACE) e engenharia civil pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Especialista em Processo Civil e mestrado em Ciência Jurídica. Engenheiro Civil concursado pela Prefeitura de Joinville, secretário de administração e gestão de pessoas no período de 2004 a 2007. Diretor geral da Câmara de Vereadores de Joinville de 2007 e 2008. É atualmente Consultor Jurídico da Câmara de Vereadores de Joinville.

Secretaria Distrital de Pirabeiraba: Sidney Sabel

45 anos, administrador de empresas, foi secretário distrital de Pirabeiraba e líder comunitário na região rural de Joinville. Foi candidato a vereador pelo PP nesta eleição. Eleito nas eleições de 2012 com 5.488 votos.