Cultura – Alesc começa a analisar a MP de Apoio à Cultura na pandemia

Já está tramitando na Assembleia Legislativa desde a quinta-feira (20) passada a Medida Provisória (MP) 229/2020, editada na semana passada pelo Poder Executivo para conceder auxílio financeiro ao setor cultural do estado. Conforme o Regimento Interno da Alesc, os deputados têm até 15 de outubro para analisar a matéria e transformá-la em lei.

A MP foi editada pelo governo no dia 13 de agosto e publicada na última segunda-feira (17) no Diário Oficial do Estado (DOE). Ela dispõe sobre a destinação de R$ 4 milhões em caráter emergencial aos trabalhadores e às pessoas jurídicas do setor cultural catarinense, com o objetivo de mitigar os prejuízos econômicos causados pelas medidas de isolamento e distanciamento social, que inviabilizam desde março as atividades do setor.

Na justificativa da matéria, a presidente da Fundação Cultural Catarinense (FCC), Ana Lucia Coutinho, explica que 6% da população do estado dependia diretamente do setor cultural. Um levantamento do Conselho Estadual de Cultura, conforme a dirigente, apontou que, apenas de fevereiro a maio, 15 mil atividades culturais foram canceladas ou adiadas, o que resultou num prejuízo de R$ 112 milhões.

Ana Lucia lembrou que o setor cultural também é importante para movimentar outros segmentos da economia. Ela cita estudo da FGV Projetos, o qual revela que a cada um real investido em eventos culturais há um retorno de R$ 13 para a economia local, em virtude do “efeito cascata dos gastos efetuados pelos frequentadores e consumidores.”

Condições
O auxílio financeiro ao setor será pago durante o período em que perdurar o estado de calamidade pública devido à pandemia da Covid-19. Ao todo, serão destinados R$ 4 milhões para o auxílio, sendo que desse montante R$ 2 milhões vieram de doação da Assembleia Legislativa.

Poderão ser beneficiados trabalhos apresentados por artistas, profissionais e fazedores de cultura das artes visuais, artes circenses, audiovisual, cultura popular e diversidade cultural, dança, literatura, música e teatro.

Quem requisitar o auxílio deverá comprovar atuação no setor cultural entre 1 de janeiro de 2019 e 17 de agosto deste ano, data da publicação da MP. Além disso, o requerente tem que apresentar inscrição homologada em pelo menos um dos seguintes cadastros: Mapa Cultural SC, Cadastro Nacional de Empreendimentos Econômicos Solidários (Cadsol), Cadastro Nacional de Pontos e Pontões de Cultura ou Sistema Estadual de Museus de Santa Catarina (SEM-SC).

A MP estabelece, ainda, que os critérios para a destinação dos recursos serão definidos em edital de chamamento público gerido e executado pela FCC. Os valores que serão pagos variam de R$ 500 a R$ 3 mil, conforme a modalidade à qual o trabalho for inscrito.

Tramitação
Na Alesc, a MP 229/2020 terá sua admissibilidade apreciada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Caso ela seja admitida pela comissão e em plenário, será transformada em projeto de lei (PL) e apreciada pelas comissões de mérito, antes de ser novamente votada em plenário.

Cultura – Governo de SC edita MP que garante auxílio financeiro ao setor

O setor cultural catarinense receberá auxílio emergencial para diminuir os prejuízos econômicos decorrentes da pandemia de coronavírus. A Medida Provisória 229, que estabelece o benefício, foi editada pelo governador Carlos Moisés e publicada nesta segunda-feira, 17, no Diário Oficial do Estado (DOE).

“O Governo do Estado está sensibilizado com o momento crítico que a categoria enfrenta e acredita que essa medida ajudará a mitigar os efeitos econômicos negativos do setor”, declarou o governador.

Os recursos que vão garantir os repasses são de transferências orçamentárias fiscais da Secretaria de Estado da Fazenda e da Casa Civil à Fundação Catarinense de Cultura (FCC). No total, serão destinados R$ 4 milhões para pagamento dos benefícios, dos quais R$ 2 milhões são de devolução do Duodécimo pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

“Fizemos um esforço conjunto para conseguir alcançar esses valores ao setor cultural, e acreditamos que será de extrema importância para muitos trabalhadores e empresas no Estado”, reforçou o chefe da Casa Civil em exercício, Juliano Chiodelli.

A Medida Provisória estabelece que os valores serão destinados para remuneração de trabalhos realizados por profissionais e pessoas jurídicas residentes em Santa Catarina, com comprovada atuação no setor cultural entre 1º de janeiro de 2019 e a data de publicação desta MP.

Os critérios para escolha dos trabalhos e dos candidatos serão definidos em edital de chamamento público, que será executado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

“Esta Medida Provisória é importante para dar garantia jurídicas ao auxílio emergencial, viabilizado pelo Governo do Estado e pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), que vai contribuir com os trabalhadores e fazedores da cultura, tão abalados pelo pandemia da Covid-19. Na elaboração da MP, a FCC contou com a parceria da Casa Civil e dos órgãos controladores do Estado”, declarou a presidente da FCC, Ana Lúcia Coutinho.

Para participar do edital é preciso que o profissional ou empresa comprove apresentação de inscrição homologada em pelo menos um dos cadastros: no Mapa Cultural SC, no Cadastro Nacional de Empreendimentos Econômicos (Cadsol), no Cadastro de Pontos e Pontões de Cultura ou no Sistema Estadual de Museus de Santa Catarina. O pagamento dos trabalhos vai variar entre R$ 500 e R$ 3 mil, dependendo da modalidade.

Prêmio Elisabete Anderle – FCC abre inscrições

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) abriu as inscrições para o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2020. Nesta edição, o valor total é de R$ 5,6 milhões e serão contemplados 215 projetos culturais para proponentes de todas as regiões de Santa Catarina. Mais uma vez a premiação está dividida em três editais: Patrimônio e Paisagem Cultural, Artes Populares e Artes.

As inscrições são gratuitas e totalmente digitais, sem necessidade de impressão em papel ou custos com correios. A plataforma para inscrições é intuitiva e de fácil navegação. Os projetos poderão ser enviados até 23h59 do dia 16 de agosto de 2020.

:: Clique aqui para acessar a plataforma de inscrições

Os prêmios serão divididos entre as seis mesorregiões de Santa Catarina, assim, projetos de todas as regiões terão as mesmas oportunidades de ser contemplados.

Conheça as categorias

Patrimônio e Paisagem Cultural, com 61 prêmios nas seguintes categorias:

– Patrimônio Material

– Patrimônio Imaterial

– Museus

– Bibliotecas Públicas

Artes Populares, com 64 prêmios, nas seguintes categorias:

– Artes Circenses

– Culturas Populares e Diversidades

– Culturas Negras e Afro-Brasileiras

– Culturas dos Povos Indígenas

Artes, com 90 prêmios, nas seguintes categorias:

– Artes Visuais

– Dança

– Música

– Teatro

– Letras: Livro, Leitura e Literatura

Para tirar dúvidas

As dúvidas sobre o Prêmio Elisabete Anderle 2020 serão respondidas somente pelo Portal de Compras do Governo do Estado de Santa Catarina ou durante as apresentações virtuais do edital que serão realizadas ao longo do mês de julho. Serão disponibilizados ainda tutoriais com detalhamento do processo de inscrição e sobre o envio de dúvidas.

É importante ressaltar que para participar do Prêmio Elisabete Anderle 2020 é necessário fazer inscrição no Mapa Cultural de Santa Catarina, disponível no link http://mapacultural.sc.gov.br.

Apoio aos artistas – Auxílio Emergencial a artistas vira lei

Foi publicada na edição desta terça-feira (30) do Diário Oficial da União a nova lei que estabelece auxílio emergencial para artistas. O texto, chamado pelos parlamentares de Lei Aldir Blanc, em homenagem ao artista falecido em decorrência da covid-19, prevê a destinação de R$ 3 bilhões para o setor cultural. O dinheiro deverá ser repassado pela União, em parcela única, para estados e municípios. Veja a íntegra da Lei 14.017/2020.

O objetivo da iniciativa, apresentada pela deputada Benedita da Silva (PT-RJ), é ajudar profissionais da área e espaços que organizam manifestações artísticas que foram obrigados a suspender suas atividades por causa da pandemia. O texto prevê o pagamento de três parcelas de R$ 600 para os artistas informais. Estima-se que o setor emprega, em todo o país, mais de 5 milhões de pessoas.

Os artistas poderão usar o dinheiro “como subsídio mensal para manutenção de espaços artísticos e culturais, microempresas e pequenas empresas culturais, cooperativas, instituições organizações culturais comunitárias”.

A lei também permite o uso do recurso em editais, chamadas públicas; prêmios; compra de bens e serviços vinculados ao setor cultural; instrumentos destinados à manutenção de agentes, de espaços, de iniciativas, de cursos, de produções, de desenvolvimento de atividades de economia criativa e de economia solidária, de produções audiovisuais, de manifestações culturais, bem como para a realização de atividades artísticas e culturais que possam ser transmitidas pela internet ou disponibilizadas por meio de redes sociais e outras plataformas digitais.

Dois sorrisos que foram alegrar o céu

Desde ontem dois sorrisos não encontrarei mais ao caminhar nas ruas da Joinville onde nasci e vivi por longos anos. Um deles andou comigo em minha infância e adolescência em meio as aulas, jogos escolares, competições, e nas ruas que circundavam o então Colégio Cenecista Elias Moreira no bairro Anita Garibaldi. Solange Adriane Garcia Gomes foi uma das minhas melhores amigas daqueles tempos felizes, quando somos imbatíveis, infalíveis, fortes, ágeis. Não temos contas a pagar, e só amigos para fazer, e brincar, e jogar, e vencer. Viver.

Conversávamos muito, eu visitava a sua casa na rua Goiás. Sua mãe era um doce. Sandro, seu irmão, foi também meu amigo. Disputamos e vencemos pela escola, ganhávamos medalhas, troféus. Eu a admirava pela energia e capacidade técnica nos jogos coletivos. Sua determinação era diferenciada. Mas o que me marcou foi sempre o seu sorriso, sua solidariedade, sua vontade de ser… humana. Ontem, ao saber via redes sociais que ela não espalharia seus sorrisos para todos nós, seus amigos e amigas, senti uma dor enorme, daquelas que somente amigos sentem ao ver o outro partir. Ficamos órfãos deles, das lembranças, do desejo de um dia nos reencontrarmos e nos abraçarmos como se nunca fôssemos deixar de esbarrar, seja nas ruas da velha Joinville, seja no mundo.

Não sei ainda o que a tirou do convívio do seu marido, familiares. Pelo que vi foi repentino. Solange sempre foi veloz, principalmente no handebol era uma artilheira nata. Líder, ficava uma fera quando perdia. Creio que assim como escapava dos adversários, escapou da gente para alegrar o céu… Vou sentir saudades amiga, que onde quer que esteja, estejas bem…

Perder um sorriso tão cativante na minha vida não bastava em um só dia. O universo resolveu aprontar porque precisava de mais sorrisos abertos, verdadeiros e naturais lá onde as energias se encontram. Recebo notícia via Folha Metropolitana, jornal para o qual escrevo, que uma amiga de 20 anos pelo menos, estudamos jornalismo juntos no Bom Jesus/Ielusc, foi fazer arte e eventos no céu junto com Solange. Melina Mosimann, a loura cativante, elétrica, animada, produtora de eventos e cultura, esposa do grande artista Juarez Machado havia decidido parar de lutar contra o terrível câncer…

Melina não negava a sua alegria a quem quer que se aproximasse dela. Sempre tinha uma nova ideia para ajudar o outro que buscasse inspiração ou saídas. Vivaz, eloquente, a última vez que nos vimos foi em um evento da Associação das Letras no Centro Cultural que ela dirigia, do marido Juarez Machado. Elegante, falava com paixão da arte que ali estava e que a circundou neste tempo que ela escolheu viver aqui na terra conosco. Foi o último abraço, e poucas frases trocadas, afinal, um evento produzido por ela estava rolando… profissional e dedicada, sempre….


Os dois sorrisos ficam na minha memória afetiva, bem guardados para quando alguma tristeza chegar. Posso revê-los nas fotos que talvez encontre nas redes sociais, mas a leveza, a beleza, a amizade e paz que traziam ao vivo, encontrarei nas lembranças que vivemos juntos na escola, faculdade, eventos, jogos, na vida que pudemos compartilhar… Saudades, que ambas estejam bem aonde estiverem.

Perder um amigo é cortar um pedaço do coração. É ficar um pouco mais sozinho na caminhada da vida. Perdi dois pedaços grandes amigas, e a caminhada ficará um pouco menos sorridente… A morte faz parte da vida, mas como é doída… O comandante do céu ganhou dois sorrisos e duas grandes parceiras, uma esportiva, outra artista. Já deve estar rolando um passeio de motos, um jogo de voleibol ou handebol, uma exposição de arte, um programa de tv. O céu está mais alegre, festivo.

Palavra Poesia – “Qual o valor do tempo”

Os tempos andam amargos, duros, secos. O que nos tira dessas agruras é a arte, e a arte da literatura chega novamente aqui no Palavra Livre com o Palavra Poesia. Nosso escritor e poeta, o jovem Edmundo Alberto Steffen, colaborador do blog, nos oferece mais uma produção poética para aliviar a vida diária, e nos dar o devido valor da vida, pois tempo é vida. Vamos lá conhecer mais um pouco do valor do tempo?

“Qual o valor do tempo?

Estamos trancados em casa
Mas deixa isso de lado
Vamos pensar no futuro
Pensando sempre no passado

Não cometendo os mesmos erros
Hoje sabemos o valor de um abraço
Que tenhamos mais fogo da vida
E menos fogo nos maços

A vida não é só alegria
Caso você, não teria graça
Qual o valor da felicidade
Se um dia ela não passa?

Eu te desejo tudo de bom
Que viva bem todos os teus dias
Em meio a esse turbilhão
Possa ter fuga nessa poesia

Agora você vai sorrir
Pois às vezes é só questão de opinião
Não deixe nada pra depois
Corre lá pedir perdão

A pandemia nos mostrou uma coisa
Temos pouco tempo e o tempo não espera
Deixamos de lado o rancor
Que então o amor impera

Qual o valor do tempo?
Não sei nem se é mensurável
Tem vezes que dura muito
Tipo um filme da Marvel

Tem vezes que dura pouco
E nos deixa vulnerável
“Não deixe pra amanhã”
Não é uma frase de coach barato

Podemos ver que o tempo é valioso
E isso cada vez mais é um fato
O que levamos da vida?
O que deixamos aqui?

Apenas sorrisos e lembranças
E quem fizemos sorrir”.

* Edmundo Alberto Steffen nasceu em Joinville-SC, no dia 13 de outubro de 1997, cursou Ensino Fundamental na rede municipal de ensino da mesma cidade, Ensino Médio no Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari e atualmente é estudante de Filosofia da PUCPR em Curitiba. Autor do livro “Poesias aos Ventos”, escreve poesias, textos e análises sobre cinema e literatura em seu Instagram @edmundo.steffen

Palavra Poesia – Vidas Negras Importam

O Palavra Livre é também arte e cultura em todas as suas formas, especialmente a literatura a qual o editor é um aficcionado e produtor de textos. Tempos terríveis e uma imensa tristeza e tragédia com a morte de negros unicamente por serem negros… trouxe a tona a veia poética de um jovem autor que já tem uma poesia publicada aqui neste espaço. Edmundo Steffen nos brinda com outra construção simbólica da dor que sentimos como humanos de fato, carne, osso, pele, sangue…

Sensibilizar a si mesmo é uma tarefa que exige um mergulho profundo no sentimento que nos faz o que somos, gente. Aproveitem a viagem com o autor:

“Vidas Negras Importam”- Autor: Edmundo Alberto Steffen

Vidas Negras Importam
Mas não só essa semana
É um grito que corre nas ruas
Mas das periferias emana

Eles estão cansados de morrer
Porque a pele transforma em alvo
E como diria Leandro Karnal
Eu branco, já nasci salvo!

Não morro pela minha cor
Não levo 80 tiros de aviso
Um Estado que se preocupa em matar
Porque periferia viva, dá mais prejuízo

Toda vida importa? Concordo
Mas nunca vi branco morrer pela cor
A luta antirracista é de todos nós
Por isso vou parar para compor

A cada 23 minutos morre um jovem negro
O que você pensaria se fosse da sua família?
O Estado age sem piedade
E mais corpos empilha

Jenifer, Kauã, Ágatha e João Pedro
Esses foram os que ganharam visibilidade
Mais quantos ainda vão morrer?
Sem nem ao menos oportunidade

Quantos cientistas, artistas e pensadores
Dos quais não poderão existir
Quantas famílias cheia de dores
Que orgulho não poderão sentir

Vidas são cerceadas
Na Necropolítica do Estado
Que decide quem vive e quem morre
Mas é sempre do mesmo lado

Nas favelas, entram nas casas sem mandado
Nos condomínios, pedem licença
Até quando são mandados

Mais uma vida que foi tirada
Em prol da segurança do Brasil
Mortes banalizadas
Confundiram guarda-chuva com fuzil

Você que acha vitimismo todo esse discurso
Procure se informar e sair da bolha
Pois nascer sem informação, tudo bem
Mas continuar sem, é uma escolha!

  • Edmundo Alberto Steffen nasceu em Joinville-SC, no dia 13 de outubro de 1997, cursou Ensino Fundamental na rede municipal de ensino da mesma cidade, Ensino Médio no Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari e atualmente é estudante de Filosofia da PUCPR em Curitiba. Autor do livro “Poesias aos Ventos”, escreve poesias, textos e análises sobre cinema e literatura em seu Instagram “ @edmundo.steffen “ .

Escritor lança e-book em seis idiomas e vendas serão revertidas para ajuda a comunidade carente

O escritor Jura Arruda, paulista radicado em Joinville (SC) há 35 anos, lançará um novo livro infantil nesta quinta-feira (14/5). O conto “Esse Mundinho Gigante” foi produzido na primeira semana do decreto estadual de isolamento social em Santa Catarina e conta uma história extremamente atual: a de Fabito, um menino que tenta compreender o que está acontecendo com o mundo quando “animaizinhos invisíveis” impedem que as pessoas circulem pelas ruas com segurança. O desejo de buscar uma bola chutada longe demais e a preocupação com o avô permeiam a história e fazem da repetição da rotina mais um motivo para a inquietação de um menino que só queria voltar a “brincar lá fora”.

“O ilustrador Fabrício Porto me mandou mensagem com a ideia de escrevermos um livro curto para disponibilizar por meios digitais, abordando o isolamento social. Falei que ia pensar em algo. Isso foi em uma quinta-feira. No sábado, sentei para escrever e a história simplesmente aconteceu. Foi bem rápido. Antes do meio-dia, mandei o texto para ele”, conta Jura Arruda.

Jura e Fabrício já tinham uma parceria com o livro infantil “Dona Zica Roda Mundo”, lançado em 2018; e com o também infantil “Berenice, se Você Visse”, contemplado pelo Edital Elisabete Anderle 2019 e que tinha lançamento previsto para o fim deste semestre, mas precisou ter a data adiada por causa da pandemia.

Comunidade de voluntários para tradução em seis idiomas
Além desta colaboração entre autor e ilustrador, “Esse Mundinho Gigante” também contou com uma verdadeira comunidade de voluntários. O livro será disponibilizado em seis idiomas: além do português, poderá ser encontrado em inglês, espanhol, italiano, francês e em esperanto (este último, um idioma criado em 1887 com o objetivo de que virasse uma linguagem universal). Para que isso fosse possível, escritores, professores e estudantes de Letras trabalharam gratuitamente fazendo a tradução para os outros idiomas.

“O primeiro contato foi com o escritor Donald Malschitzky. Eu sabia que ele aceitaria fazer a versão em inglês. Depois, fui lembrando de amigos com domínio de outras línguas. A Georgia Cagneti, que já traduziu o meu livro ‘Uma Arvore que Dá o que Falar’ para o inglês e que, atualmente, mora na Itália, o transformou para o italiano; e Cristiane Beluzo Bonezzi, que é professora e tradutora, o fez para o francês. Para o espanhol, pedi à Fernanda Arruda, minha sobrinha, que está no penúltimo ano do curso de Letras e faz estágio como revisora e tradutora em uma start up. Quanto ao esperanto, sou um admirador da ideia e da língua, então pedi ao Fernando Pita, do Rio de Janeiro, que aceitou na hora”, detalha Jura.

Para ajudar as crianças da Comunidade Juquiá
Todas as versões do livro estarão à venda a R$ 3,99 na plataforma da Amazon (os valores serão equivalentes mesmo nas moedas de outros países, exceto nos Estados Unidos, onde será vendido a US$ 1,99). Os recursos arrecadados com a comercialização da obra serão revertidos em doações para as crianças do Juquiá, comunidade instalada em uma área de ocupação irregular no bairro Ulysses Guimarães, na zona Sul de Joinville. A doação será feita por meio da Fundação 12 de Outubro, instituição focada na assistência de crianças e idosos criada há 33 anos e que, atualmente, é administrada pela Associação Diocesana de Promoção Social (Adipros), da Igreja Católica.

“A ideia inicial era disponibilizar gratuitamente o livro digital. Mas as plataformas mais importantes não aceitam a gratuidade. Mandei mensagem para o padre Ivam Macieski e ele me falou das famílias do Juquiá, onde vivem mais de cem crianças. Elas estão fragilizadas por causa da situação que atravessamos”, explica o escritor.

Jura Arruda e Fabrício Porto participarão de um bate-papo ao vivo na noite desta quarta-feira (13/5) nas redes sociais do escritor para lançar a nova obra e conversar com os leitores sobre o momento atual, compartilhando como têm sido suas próprias experiências com o isolamento social. Durante a live, serão disponibilizados os links para download da obra.

  • com informações do Fazer Aqui e Jura Arruda

Crônica – Com os pés na Hercílio Luz

Florianópolis é linda, inclusive a noite. Caminhei pela Alameda Adolfo Konder rumo àquela senhora que todos querem ver ativa, altiva, oferecendo seu leito para a travessia entre a Ilha da Magia e seu Continente irmão. No lusco-fusco do início da noite da terça-feira histórica, caminhavam várias pessoas. Novas, idosas, crianças, todos na mesma direção. Todos querem matar as saudades, outros viverem a primeira vez com ela. Ansiedade? Dá para ver que existe, e é grande.

A cada passo, ela se agigantava aos meus olhos. No Mirante, junto ao busto do governador que lhe dá o nome, mais e mais pessoas com seus olhos curiosos. Será que ela aguenta? Não cai? Imprensa, colegas se aglomeravam já no novo leito da Ponte Hercílio Luz. Estava atrasado para este encontro único. O entorno do acesso insular ainda está por finalizar, entulhos das obras espalhados, iluminação ainda precária. Mas o povo ali, à espera de ver os 48 caminhões “pisarem” com seus rodados robustos nas costas da Velha Senhora. Incrédulos, afinal lá se foram 28 anos de completo abandono entre ambos.

Avisei, imprensa. Pego o capacete amarelo, ajusto, coloco sobre a cabeça que pensa, que momento. Pergunto, o governador já chegou? Sim, está lá, aponta o segurança. Coloco os pés na nova pista de rolamento, um gradil, todo furado em que você pode ver o que está abaixo, avenida Beira Mar Norte, depois o mar que divide as baías. Acelero o passo para onde estão as luzes dos colegas da imprensa, Governador ao centro respondendo as perguntas, informando sobre o evento.

Filmo. Fotografo. Uma, duas, várias vezes. As torres, as barras de olhal, ouço o Governador. Acompanho os colegas em seu trabalho. Encerra a entrevista, e lá vamos juntos caminhando. A Velha Senhora deve pensar: homens e mulheres de pouca fé, eu aguento muito mais do que as minhas irmãs de concreto ali ao lado! Faltam ajustes finais, grades de proteção, guarda corpos. Operários trabalhando dia e noite, se despedindo de um longo relacionamento com aquela que exigiu muito carinho e atenção. Daquela ponte de 1926, pouco ficou.

Atravessamos o vão central. A cada passo, uma emoção. Estou caminhando e chegarei ao Continente afinal sobre a velha Hercílio Luz! No vão central, as treliças, e as duas imponentes torres. Fotografo, tudo. Seguimos até chegar em bando, jornalistas, cinegrafistas, fotógrafos, equipe do Governo, Defesa Civil, engenheiros, assessores, à cabeceira continental. Outra multidão à espera, olhos atentos, certamente não vendo a hora de trocar de lado, chegar à Ilha de Santa Catarina.

Ouvimos protestos vindo de um grande prédio que fica próximo a entrada continental. Não consegui identificar sobre o que era o protesto. Talvez por acabar com o sossego, ou pelos altos valores investidos ao longo de muitos anos, que trouxe muita desconfiança sobre desvios, e criou antipatia pela Velha Senhora, que nada tem a ver com as ações escabrosas de alguns humanos investidos em poderes públicos.

O retorno à ilha foi ainda mais interessante, com mais calma, observando os detalhes das passarelas por onde andarão milhares de turistas, moradores, ciclistas, todos para tocarem, sentirem e perceberem a renovada Hercílio Luz e sua importância para a mobilidade, e muito mais, para a valorização e geração de empregos em Santa Catarina e Florianópolis em especial. O trajeto repetiu o que fiz, agora com olhar mais atento. Fotos, filmagens, perguntas.

Chegamos novamente à cabeceira insular. Olho à volta, e lá estão as pessoas, curiosas por ver o que virá. Vejo a saída do Governador e sua comitiva. Troco ideias com colegas. Retiro o capacete amarelo, recoloco no lugar onde estão todos os outros. Quantas cabeças ocuparam tais equipamentos nestes anos de obras? Quanto conhecimento, engenharia, inovação, cálculos, tantos cérebros envolvidos para devolver à cidade o seu patrimônio? Muita gente. Boas gentes, em sua maioria.

Saio e caminho nas novas calçadas da Alameda Adolfo Konder, observo o novo acesso ao Parque da Luz, em processo de calçamento de última hora. Operários trabalhando a noite inteira para finalizar tudo até 30 de novembro de 2019. Há muito que fazer ainda, detalhes, mas a alegria de quem viu e viveu os dias de obras está estampado nos rostos. Fica no currículo. Viverá nos corações.

Eu vivi parte desta história da restauração. Fui assessor de comunicação da Secretaria de Estado da Infraestrutura entre 2009-2010 com o deputado federal Mauro Mariani como Secretário. Vistoriamos as obras, andamos por entre tábuas, muitas ferragens, gente que se perdia nos escaninhos da ponte, sobre e sob ela. Atendi colegas da imprensa nos maios de aniversário da velha Hercílio Luz. Vivi parte disso. Só poderia estar agora, no momento em que ela volta a conviver conosco.

Emocionante. Histórico. Único. Assim foi o momento em que meus pés pisaram no monumento que os catarinenses cismam em não ver como um patrimônio. A Ponte Hercílio Luz é um motor de desenvolvimento e inclusão de centenas, talvez milhares de pessoas em empregos, trabalho, renda. Nosso complexo de vira latas impede de perceber o verdadeiro valor deste monumento para o país e SC.

Nossa falta de cultura, de vivências culturais mais aprofundadas, nos colocam em debates ocos, utilizados por muitos para ganhos políticos com discursos fáceis. Se tivessem usado o dinheiro em outra ponte, ou ainda, derrubem esta velharia e façam outra, mostram que não entendemos nada, mas opinamos de forma vazia sobre tudo. A Ponte Hercílio Luz é símbolo tal qual uma Torre Eiffel de Paris. Pode gerar muitos lucros para a sociedade, muito mais do que foi investido em sua restauração.

Agora é hora de abraçar a Velha Senhora, acolhê-la, senti-lá, envolvê-la na vida da capital, usar a sua história para construir uma nova história. É possível, basta um governo correto, gente séria, planejamento e cuidados com a manutenção do patrimônio. Seja bem vinda de volta à juventude Ponte Hercílio Luz. Foi emocionante. Único. Como jornalista, assim como meus colegas, fico feliz de poder contar um pouco do que vi agora, do que vi antes, e do que pode vir ali na frente.

Vamos continuar contando a sua e a nossa história! Dia 30 de novembro estaremos lá para ver seu retorno triunfal, o povo abraçando e te recebendo de braços abertos.

Por Salvador Neto

Bob Dylan leva o Prêmio Nobel de Literatura

palavralivre-premio-nobel-dylanO prêmio Nobel de Literatura 2016 foi atribuído a Bob Dylan, por ter criado novas formas de expressão poéticas no quadro da grande tradição da música americana, anunciou hoje (13) a Academia Sueca.

Bob Dylan  é o nome artístico de Robert Allen Zimmerman, nascido em 24 de maio de 1941 – compositor, cantor, pintor, ator e escritor norte-americano.

Nascido no estado de Minnesota, neto de imigrantes judeus russos, aos 10 anos Dylan escreveu seus primeiros poemas e, ainda adolescente, aprendeu piano e guitarra sozinho.

Começou cantando em grupos de rock, imitando Little Richard e Buddy Holly, mas quando foi para a Universidade de Minnesota em 1959, voltou-se para a folk music, impressionado com a obra musical do lendário cantor folk Woody Guthrie, a quem foi visitar em Nova York em 1961.

Em 2004, foi eleito pela revista Rolling Stone o sétimo maior cantor de todos os tempos e, pela mesma revista, o segundo melhor artista da música de todos os tempos, ficando atrás somente dos Beatles.

Uma de suas principais canções, Like a Rolling Stones, foi escolhida como uma das melhores de todos os tempos. Em 2012, Dylan foi condecorado com a Medalha da Liberdade pelo presidente dos Estados Unidos Barack Obama.

*Com informações da Agência Lusa