Brasília, dezembro de 2015 – Crônicas do Impeachment #1

Todo jornalista, além de ser curioso, questionador, investigador, ter bom texto, saber apurar as notícias com seriedade, objetividade e isenção possível, precisa ter sorte. Sorte para estar no lugar certo, na hora certa. Foi o que aconteceu comigo, mais uma vez.

Convidado a estar na capital federal, eis que minha estadia calhou de cair bem no auge da luta política entre oposição e governo. Eduardo Cunha aceita o pedido de processo de impeachment, e eu chegando a Brasília. Sorte.

Ao aterrissar, dava para sentir o clima, já seco e quente, ainda mais quente e pesado. O jogo pesado da política, das tramas, estava impregnado no ar que entrava em minhas narinas. Logo ao primeiro som, a rádio do taxista que me levava ao destino dava o tom.

Matérias sobre o impeachment. Ouviam os juristas de ambos os lados. Ataque de cá, defesa de lá. O taxista, naquele jeito cantado do cerrado, perguntava, e daí, o que vai dar?

Não sei, respondi. Visitei órgãos federais no mesmo dia, e fui colhendo as impressões do momento político. Resultado do dia, após ler, ouvir, perguntar:

Cunha não deveria mais estar comandando a Câmara, e o processo. Temer trama o golpe há meses, na cara do governo no Palácio Jaburu. Governo perdeu o controle da ação política na Câmara. Carta de Michel Temer o diminui como estadista que deseja ser.

Ainda à noite descubro: com as bençãos de Eduardo Cunha, peemedebistas anti-Dilma e governo tramam a queda do líder do partido na Câmara, o carioca Leonardo Picciani. Colhem assinaturas. Precisam de 34. Estão próximos, já tem 32.

Pouco importa a legalidade, se Dilma fez ou não fez o crime que dizem que fez, e que está na denúncia. A chance de ocupar a Presidência da República açula os peemedebistas, com apoio velado do PSDB, DEM, PPS, PTB e outros.

A arma é o impeachment, para dar o verniz de “constitucionalidade”. A temperatura está altíssima.

Por Salvador Neto, editor do Blog Palavra Livre, direto de Brasília. Foto: Salvador Neto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.