Temer deixa coordenação política e PMDB sinaliza saída da base aliada

Vice presidente da República, o advogado Michel Temer comunicou, no início da tarde desta segunda-feira, sua saída da articulação política do governo.

Como segundo na hierarquia de poder, Temer deixa as negociações sobre cargos e emendas parlamentares para o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, e passa a se dedicar apenas aos movimentos mais amplos da política nacional.

O comunicado aconteceu durante reunião fechada com a presidenta Dilma Rousseff, que convocou o encontro na tentativa de demovê-lo da decisão.

Embora permaneça como um dos principais aliados do governo, o PMDB se fraciona mais uma vez após a decisão do presidente da legenda de se afastar da coordenação política.

Temer foi alvo de críticas, por parte de líderes do PT, ao afirmar que o país precisa de “alguém que tenha a capacidade de reunificar a todos”, com se ele fosse a solução para a crise política no país.

A saída de Temer também abre possibilidade para que o PMDB deixe a base de sustentação do governo, o que poderá elevar, ainda mais, a temperatura do ambiente político atual.

Temer vinha desempenhando a tarefa conter rebeliões internas dentro do PMDB lideradas, na quase totalidade, pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adversário declarado do governo.

Michel Temer, em conversa com jornalistas, chegou a reconhecer que errou ao ter sido “honesto demais” sobre a crise política do governo Dilma.

– Eu acho que o meu problema foi ter sido honesto demais. Ensaiei aquela fala, porque sabia da sua importância e não queria errar. Meu objetivo era fazer um chamamento pela unidade do país – afirmou ele.

Segundo afirmou, sua intenção era a de ajudar o governo e o país e não causar mais celeumas. Desde então, aliados do governo viram na afirmação um sinal de conspiração contra o governo. O PMDB saiu em defesa de Temer, que preside a legenda.

Ao longo deste final de semana, presidentes de diretórios estaduais do PMDB reuniram-se, na tentativa de redigir uma carta aberta a Temer pedindo que ele abandone imediatamente a articulação política do governo e que a sigla desembarque da base aliada, no Congresso. O documento, no entanto, ainda não foi divulgado.

O grupo tende a ampliar a voz dos setores que pedem a antecipação do Congresso Nacional do partido, previsto para novembro, que vai deliberar sobre a permanência ou não do PMDB na base aliada da presidenta.

Panos quentes
Nas últimas horas, articuladores da bancada petista também tentaram que Temer desistisse da ideia de deixar a articulação política do governo.

Emissários do ex-presidente Lula também fizeram contato com auxiliares de Temer, sem sucesso. Apesar da decisão de deixar, oficialmente, a coordenação política, Michel Temer teria combinado com a presidenta Dilma, durante a reunião desta manhã, que seu objetivo é deixar de lado o varejo no trato com os parlamentares.

Presidente do PMDB e segundo na escala de governo, Temer passará a cuidar apenas da ‘macropolítica, sem responsabilidade por cargos e emendas parlamentares.

Com informações do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.