Saúde: Joinville oferece tratamento contra o tabaco em 42 unidades de saúde, confira!

cigarroO dia 31 de maio foi estabelecido como o Dia Mundial Sem Tabaco para reforçar que o uso do cigarro está entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento de infarto agudo do miocárdio, AVC, problemas respiratórios e câncer. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o tabagismo vitima em todo o mundo 10 mil pessoas por dia.

O controle do tabaco é uma importante medida de prevenção das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DNCT). Preocupada em conscientizar a população sobre o problema, a Secretaria da Saúde de Joinville mantém, desde 2005, o Programa Municipal de Controle do Tabagismo (PMCT). Para participar dos grupos de controle ao tabagismo, o usuário tem de se inscrever na unidade de saúde mais próxima. Atualmente, 42 das 55 unidades de saúde do município oferecem o tratamento.

“A vontade de parar de fumar é o primeiro passo para largar o vício”, alerta a psicóloga do Programa Municipal de Controle do Tabagismo, Karina Viana. “Estima-se que 80% dos fumantes querem largar o cigarro, mas apenas 3% conseguem parar de fumar sem ajuda”, continua.

No início do tratamento, conforme Karina, o fumante passa por uma avaliação médica e é inserido em grupos de tratamento que utilizam a abordagem cognitivo-comportamental no processo de cura. O método utilizado ajuda o paciente a entender a sua dependência do cigarro e a compreender as dificuldades no processo de parada como a síndrome de abstinência e as possibilidades de recaída.

“Só o uso de medicação não resolve o problema do tabagismo”, alerta a psicóloga. A dependência acontece em três níveis: físico, psicológico e comportamental. “A dependência física é quando se sente falta da nicotina em si, do cigarro; a psicológica diz respeito ao que o cigarro remete, o significado; e a dependência comportamental tem relação com os hábitos da pessoa, por exemplo, depois de tomar café tem vontade de fumar”, explica Karina.

O tratamento contra o tabaco é realizado em 10 encontros e dura seis meses. No primeiro mês os encontros são semanais, no segundo, são quinzenais e, depois, acontecem uma vez ao mês. Quando a dependência física é elevada ou muito elevada, o paciente também recebe medicação e deve, obrigatoriamente, frequentar os grupos de tratamento. “Quando a pessoa só utiliza medicação desiste mais fácil do tratamento, já que ela não trabalha a questão do significado do cigarro”, completa a assistente social do Programa, Andréia Dahlke.

Andréia também destaca que, ao aderir ao tratamento na unidade de saúde, o paciente também passa pela avaliação de um cirurgião-dentista da unidade. “A intenção é o diagnóstico precoce de lesões pré-cancerígenas e cancerígenas, já que o fumante tem sete vezes mais chances de desenvolver o câncer de boca”, alerta.

Confira as unidades de Saúde que oferecem o Programa de Controle do Tabagismo. CLIQUE AQUI.

Salvador Neto

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, coach e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC.Tem mais de 25 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. No voluntariado, foi diretor voluntário da APAE em Joinville (SC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.