Investigado esquema de propina no governo Alckmin

O Ministério Público Estadual investiga a existência de um esquema de corrupção dentro da Secretaria de Fazenda de São Paulo, que teria movimentado R$ 400 milhões.

A base para a investigação é a Operação Lava Rápido, da Polícia Federal, que apontou o recebimento de dinheiro por servidoras para sumirem com processos de empresas multadas por sonegação e outras irregularidades.

Em depoimento, as acusadas citaram uma suposta omissão de alguns juízes do TIT (Tribunal de Impostos e Taxas), que não tomavam providências ao serem alertados sobre o sumiço de documentos fiscais.

Outra descoberta da Lava Rápido foi a fundação de uma igreja por parte do grupo que pagava as propinas. A entidade religiosa não tinha templo nem fieis, mas movimentou R$ 400 milhões.

Do Sindicato do ABC, com Estadão e SpressoSP

Salvador Neto

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 25 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. No voluntariado, foi diretor voluntário da APAE. Escreve para vários veículos de comunicação, entre eles o jornal ND, Portal ND+ e Grupo ND em Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.