Eleições 2012: ex-presidente do IPPUJ expõe dissidência no PT

Roberta se destacou pela campanha com a cor lilás, atividades sustentáveis e debates sobre mobilidade

Ela fez quase dois mil votos em sua primeira eleição, e se revelou como a nova liderança no PT joinvilense, uma surpresa para a cúpula partidária diante da suposta falta de base política e de capilaridade eleitoral em bairros. Roberta Schiessl, advogada e ex-presidente do IPPUJ, não aceitou o convite do prefeito Carlito Merss para retornar ao posto, o que causou estranhamento da opinião pública.

Até então só haviam rumores de suas manifestações internas no partido, reagindo ao atrelamento do PT e do Governo Carlito à candidatura do PSD de Kennedy Nunes, que também recebeu o apoio do ex-prefeito Marco Tebaldi. Em seu perfil no Facebook, Roberta abre publicamente a sua dissidência à decisão local do partido, invoca a posição estadual e federal do PT que encaminha o projeto de reeleição de Dilma Rousseff junto com outros aliados, em especial o PMDB.

Certamente haverá muita trovoada, chuvas torrenciais e ranger de dentes no núcleo duro do PT joinvilense. Na reta final das eleições 2012, um duro golpe nos interesses localizados das atuais lideranças do partido, e com reações imprevisíveis. Confira na íntegra o desabafo, até filosófico, da ex-presidente do IPPUJ, Roberta Schiessl:

“Aristóteles introduz a pergunta ética por excelência: o que está e o que não está no nosso poder quando agimos? Em outras palavras, o que depende de nós e o que não depende de nós numa ação? O ato ético voluntário é aquele que depende inteiramente de nós no momento da ação. As circunstâncias em que se realizará não dependem de nós, pois como vimos, são contingentes.
Como fazer para que, em qualquer circunstância, possamos agir eticamente, isto é, ter o pleno poder sobre nossa ação, ainda que não tenhamos poder sobre as circunstâncias que nos levam a agir? Adquirindo uma disposição interior (héxis) constante que nos permite responder racionalmente ou prudentemente a situações que não foram escolhidas nem determinadas por nós, isto é, realizando um ato voluntário feito por e com virtude.

Portanto, feito com escolha deliberada, com moderação e reflexão sobre os meios e os fins, em vista da excelência ou do melhor. (CHAUÍ, Marilena, In: INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA FILOSOFIA, p. 448. Companhia das Letras, 2ª. Edição).

Aproprio-me dessa citação da obra da professora Marilena Chauí, cantada e decantada pelos intelectuais de esquerda, para finalmente me manifestar acerca da conjuntura política das eleições municipais, e do imprevisível – ao menos para mim – apoio do meu partido, PT, ao candidato do PSD, que se soma ao apoio do PSDB, PP dentre outros.

Não poderia silenciar-me, porque não tenho dúvida que 1853 votos não vieram da arte de “ficar em cima do muro”. Sempre me posicionei e colhi críticas e apoios e, por conseqüência, inimigos e apoiadores. Atenho-me aos últimos. Eles merecem meu posicionamento acerca do apoio manifestado a um candidato que passou 3 anos e 10 meses rompido com o meu candidato a prefeito.

Não só isso, que em campanha formula propostas inexeqüíveis ou desconexas da realidade e as prioridades do município. Um “garrote” hábil e impiedosamente utilizado e que não será curado, ao menos em mim, petista, por intermédio de um apoio extraído das vísceras feridas por um governo que a urna não aprovou.

Portanto, não aceitei regressar à prefeitura, pois me faltaria coerência, dignidade e brios, características que não consigo flexibilizar diante de nenhuma circunstância.

Ato contínuo, vejo a militância tão envergonhada quanto eu, não sabendo o que dizer àqueles que perguntam “como assim?”. Talvez nem toda a militância, bem sei, mas aquela que sempre ficou fora das decisões de cúpula, convencida e então convicta de que a culpa é dos outros e que os outros nunca tem razão.

Que os outros seriam oportunistas, egoístas, golpistas e tantos outros adjetivos de sufixo “ista” que ouso propor – buscando uma análise menos fisiologista – sejam substituídos pelos de sufixo “dade. Humildade, liberdade, dignidade.

Um apoio rechaçado pelos diretórios nacional e estadual, que já sinalizaram com nitidez com quem o PT vai estar para dar continuidade ao processo de transformação política do país.

Joinville é maior e deve ser vista com mais maturidade nesse contexto. Não pode servir de palco para os interesses de grupos A, B, ou C, arriscando a credibilidade e a história de um partido que nasceu com uma postura crítica ao reformismo dos partidos políticos social-democratas.

Um olhar para além do nosso fígado nos leva a enxergar Chalita com Haddad no estado de São Paulo, um governo do estado em 2014 e muito mais importante, a reeleição da presidente Dilma, que não deve romper com seu vice.

Enfim, já que a conjuntura municipal não depende de mim, mas que ainda me cabe promover um ato voluntário ético, com moderação e reflexão, em vista da excelência ou do melhor, declaro-me dissidente. E que venha a chuva. Joinville – nem eu – nunca se intimidou diante dela”.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, coach e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC.Tem mais de 25 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. No voluntariado, foi diretor voluntário da APAE em Joinville (SC).

33 comentários em “Eleições 2012: ex-presidente do IPPUJ expõe dissidência no PT”

  1. Parabens pela coragem e principalmente pela postura reta e sobria. São de pessoas como vc que Joinville precisa para ajudar a governar, colocando sempre o interesse coletivo na frente dos pessoais.

  2. Parabéns Roberta….fiquei orgulhosa de voce, da sua coragem e da sua postura. É de gente assim que precisamos para fazer politica e não politicagem.

  3. Eu também admirava a Roberta, e muito. Mas achei muito estranho ela “morder a mão que a alimentou” tanto tempo, só porque esta não se reelegeu.
    Usar como argumento a reeleição de Dilma foi nos chamar, no mínimo, de imbecis. LHS jamais apoiou Lula ou Dilma. Sempre apoiou o PSDB e fez oposição ferrenha ao PT nacional e estadual.
    Se o argumento fosse este, muito mais lógico o PSD de Kennedy, aliado inconteste do PSB, ambos na base aliada do governo Dilma.
    Parece que entre coerência e lealdade há muito mais fisiologismo e oportunismo do que quer aparentar nossa ex-admirada…

  4. Andrew Schwartz, ou quem se apropria desse nome, não sou advogado nem tenho procuração da Roberta Schiessl para defendê-la. Se ela ler seu comentário, terá a oportunidade de respondê-lo. Conheço política, vivo nela, vivo com ela, e sei que PSD e PSB, aqui, não tem nada de Dilma. É só ver quem comanda estes partidos, todos da direitona, colocados estratégicamente nas siglas para ocupar espaços públicos. Imbecilidade, e é pensamento meu, repito, é novamente se fazer de avestruz, enfiando a cabeça em buraco para dizer que não viu nada, não sabe de nada. A ex-presidente do IPPUJ está no direito de não aceitar a capitulação do governo que fez parte – e diga-se que defendeu como poucos – ao seu maior algoz. E também de não entregar sua sigla ao PSDB, maior adversário do PT nacional, local, regional. Sem contar o que essas duas siglas representam em Joinville, e há anos. É melhor o debate aberto, e não a entrega sem ouvir filiados, não achas? Oportunismo e fisiologismo? Nossa, isso tudo está contido na decisão de meia dúzia que dirigem o PT Joinville há anos. Afinal, querem se manter nos cargos, poucos que sobrarão, é verdade. Ou será que tem algo a mais debaixo do tapete? O tempo dirá. No mais, sorte a quem assina a sentença de suicídio político petista. Ah, e obrigado por participar “Andrew”.

  5. Caro Andrew, concordo com vc o que vai mudar a nível nacional se o PT apoiasse o UDO em Joinville, eles malharam o PT o tempo todo em 2010, más claro que o Salvador Neto vai defender o PMDB, quanto a Roberta É UMA ESTRELA QUE GOSTA DE BRILHAR SOZINHA SEM OUVIR OS OUTROS, PASSOU POR CIMA DAS DECISÕES DO PARTIDO, NO MUNICÍPIO, DEVE TER RECEBIDO UMA BELA PROPOSTA DO DR UDO. Não retorna a prefeitura agora más se o UDO Ganhar volta por mais 4 anos depois, que venha primeiro ajudar a construir o partido na militância para depois querer opinar, ou ela acha que disputar uma eleição regada a dinheiro da direita deste município lhe credencia a alguma coisa. tenham dó

  6. Não mordo a mão que alimenta, porque não faço nada pelas costas e tampouco sobrevivo de atividade político ou partidária. Essa opinião foi externada em reunião, diante da executiva do partido e olhando no olho de cada candidato a vereador, presidente do partido e coordenação de campanha da majoritária. Além disso, minha contribuição ao governo, além de uma defesa aguerrida contra os ataques formulados por outdoors e jornais, pode ser constatada “in loco”, no Parque da Cidade, na largada da licitação do transporte coletivo, no 4o. andar do São José, na Rua das Palmeiras, PAC do Aventureiro e diversos projetos que saíram do IPPUJ e tomaram corpo nos bairros de Joinville. Respeito Carlito Merss, mas não vejo coerência nesse apoio a partidos historicamente adversários. Não desatendo orientações dos diretórios estadual e nacional e tampouco do municipal, posto que apenas orientou a militância a apresentar apoio ao candidato do PSD. O que não posso, apesar de bem mais imune a críticas, é não me manifestar, pois nunca deixei de fazê-lo diante dos ataques ao governo. Devo às pessoas que votam em mim um posicionamento claro e que não deixa de ser respeitoso, pois não desço a ataques pessoais a qualquer um dos candidatos e seus apoiadores.

  7. Meus caros, algumas coisas precisam ser pensadas junto com tudo isso. Primeiro: Aristoteles também disse que somos “por natureza, animais sociais e políticos”, leia-se timos em grupo e respeitamos decisões tiradas em colegiado; segundo, Marilena Chai, foi acusada de plagio há alguns anos por um pensador francês e nao é mais aceita na academia; terceiro, nossa amiga nao aceitou retornar a PMJ porque seriam apenas dois meses e meio, sendo que poderia conseguir muito mais; terceiro, gostaria que o blogueiro fosse imparcial, diante da contenda

  8. Professor Belini Meurer, até a pouco lhe respeitava, mas querer censurar o meu Blog? Aqui a Palavra é Livre! De onde saem esses pensamentos, que na verdade parecem dogmas religiosos e não filosóficos, do tipo respeitamos decisões tiradas em colegiado… fosse assim, se decidissemos saquear a cidade e seus habitantes, e isso fosse aceito em colegiado, poderíamos tudo? Não importando o tamanho do colegiado, a forma, a composição? Professor, respeite a inteligência dos demais. E continue participando, é ótimo que todos apareçam por aqui, obrigado!

  9. Caro, e deve ser caro mesmo, Breno ou quem quer que seja escondido sob um codinome. Eu não defendo o PMDB, e nenhum partido, apenas expus os fatos e analisei com toda a experiência que tenho. Lembro ao nobre comentarista que já trabalhei em campanhas de vários candidatos, petistas e não petistas. Mas não sou gado, nunca fui, e talvez por isso a meia dúzia de petistas deslumbrados, que pensam entender de político sem ainda ter sequer saído das fraldas, vivem a tentar me cercear. Foi assim quando trabalhei por lá. Mas aqui não, aqui é meu espaço, e é livre. Diferente do que tentam passar os petistas, meia dúzia claro, de que tudo lá é muito discutido. Pura balela! E mais, respeito a militância petista, essa sim aguerrida, lutadora, que jamais soube dos bastidores. Mas que um dia saberá. Quanto às acusações à Roberta Schiessl, senhor Breno, ela poderá responder por si só, porque tem inteligência e autonomia suficiente para isso. Obrigado pela participação.

  10. Eu já acreditei no PT, vibrei quando vi o Lobão pedindo voto pro Lula em 1989 ao vivo no programa do Faustão! (o cantor ficou 10 anos sem poder entrar na Rede Globo), lembro até do Lulu Santos na mesma época fazendo algo parecido, porém de forma um pouco mais branda… eu mesmo cheguei a tocar de graça em comício dele para mais de 5 mil pessoas! Fiz jingle para vereador e deputado do PT e dei de presente como apoio a campanha… Mas o tempo (e o poder), me (nos) mostrou outra face daquele “idealista partido” e seus personagens, e o que vejo hoje são bandidos alçados a condição de “heróis” por militantes bestas e quase sempre oportunistas e isso me dá asco! Que o PT está indo para a lama não é novidade, e é menos novidade ainda que aqui em Joinville ele já está na lama! O partido está desmantelado e desesperado! Acho que para o PT se recompor por aqui, muita velharia vai ter que ser substituída, e após a surra das urnas e as falcatruas do governo Carlito vindo a tona, vejo “sangue novo” como se fosse uma luz no fim do túnel. Com exceção do reeleito Adilson Mariano que sempre foi um caso a parte. Ver gente como Marquinhos, Assis e Belini não se elegerem confesso que foi uma grata surpresa, fiquei surpreso também ao ler o nome Lioilson que confesso nunca tinha ouvido falar… mas to escrevendo tudo isso pq acabo de ler essa notícia o que me deixou muito feliz! Afinal vendo o PT apoiando Kennedy para conseguir algumas vaguinhas comissionadas é de praticamente se perder a esperança, me vem a cabeça algo como: poxa, que idiota sou eu de ser idealista e acreditar que algum dia algumas pessoas farão a diferença, dá a impressão de que o que todos os politiqueiros querem é apenas manterem a sua teta… Ninguém fala na terceira opção que é baixar a cabeça depois da derrota e começar um novo trabalho para a próxima eleição como fez o PSOL. Mas não, tem que apoiar ou o Udo, ou o Kennedy, precisa garantir alguns comissionados de primeiro e segundo escalão, como disse o Kennedy: “dividir a fatia do bolo”
    Porém a atitude da Roberta me faz ver que ainda existem (mesmo que raras), pessoas com ideais! Parabéns Roberta!

  11. Parabéns Roberta pela atitude coerente e digna, meu respeito e admiração por vc ssó aumenta! É de pessoas assim que precisamos na vida pública para fazer a diferença!

  12. Parabéns ao Salvador pela coragem de “abrir” o espaço ao debate e à Roberta pela posição que toma, legítima e coerenta. Independentemente de ser “discutível” como tudo (exceto as decisões do atual diretório municipal do PT, como se vê por aqui), sua posição é consequente com a maneira pela qual ela vê a conjuntura municipal e traz contribuição importante de quem, quando no executivo, muito provavelmente enfrentou a animosidade e o boicote puro e simples dos “aliados” do segundo turno.

  13. Parabéns, Roberta. Fico feliz que não tenha legitimado o apoio esquisito que o PT fez apoiando quem sempre lhe foi um adversário.

  14. Obrigado Alexandre Carrasco, faz parte da minha profissão o ato de liberdade de informar, e este é o caso. Fico grato por sua referência, e por tua leitura e comentário, forte abraço e continue participando conosco!

  15. Todas as pessoas que gostam de política, ou discutir política deveriam experimentar ler um pouco sobre alguns filósofos como Aristóteles, Kant… com um belo pensamento sobre como devemos agir, tratando de VIRTUDE, ÉTICA, MORAL, FELICIDADE, LIBERDADE. Muitos políticos garanto que teriam vontade de fazer igual a um avestruz, diante de tamanha vergonha de seus atos, da falta de ética e consciência pesada por seus atos, enfiar a cabeça num buraco e nunca mais tirar… Incrível como as pessoas são levadas pela massa que forma opiniões e acabam desacreditados e se achando dignos de serem julgadores… ulalá! Para compreender muitas coisas os leigos de plantão deveriam aproveitar o ócio que se encontram para trabalharem a mente de forma a evoluir. Cuidado para não atrofiar o que ainda lhes restam… Parabéns a Roberta por expor sua opinião a seus eleitores. Parabéns por ainda carregar no sangue sentimentos de ética e moral e que continue assim, porque pessoas com valor moral são raras hoje em dia. Precisamos resgatar os valores perdidos em nossa sociedade. Um grande abraço Roberta! Um grande abraço Salvador Neto!

  16. Concordo plenamente com Alexandre Carrasco.
    Além da Roberta, tenho que parabenizar tambem o Lima do PSDB pela mesma postura.

  17. Deise Kohler, muito obrigado por comentar aqui no Palavra Livre. Realmente, estão faltando vários pressupostos éticos e morais para muita gente. Tem alguns pseudo-líderes, agora rechaçados pelo voto, que se acham mais inteligentes que todo o mundo ao seu redor. Durante anos fizeram discursos belos, cheios de teorias, palavras difíceis, engabelando a massa de seu partido. Agora, quando a máscara cai por conta do deslumbramento com o poder – a que todos nós estamos sujeitos – não conseguem mais enxergar a sua origem, de onde vieram, quem são, e o que ainda podem ser. E para mim, todas as pessoas que tem coragem de assumir tudo na vida, merecem meu respeito, e Roberta é uma delas. Mais uma vez, obrigado, e participe sempre por aqui, abraço!!

  18. Parabéns Roberta! Fico feliz e com grata surpresa que ainda restam pessoas na política puras na essência que defendem o que acreditam e no que se propuseram. Não sou político,mas adoro ler e saber das coisas que envolvem este fantástico mundo. Quando a democracia nasceu em Athenas eram puras e justas as conquistas e decisões que vinham de conversas e debates com a votação de pessoas diferentes todos os meses. Isto tinha um significado simples e puro, ninguém era assombrado pelo poder que era de todos, eram puras na essência. O que vemos hoje em Joinville, repetindo São paulo (parecido, quase igual) (Lula + Maluf) Chalita + Haddad=Carlito+ Kenedi + Tebaldi, só nos faz ter uma certeza de que o mundo realmente acaba em 2012 assim como previam os Maias.
    São os políticos que determinam o futuro de todos, sejam eles legítimos ou não e espero que mais políticos coerentes apareçam e façam deste mundo, ou o que sobrar dele, melhor. Parabéns Salvador pela imparcialidade e bom tom!

  19. Eu não poderia esperar nehuma atitude diferente da que a Roberta tomou. Isso prova que eu e mais 1800 votantes estavamos certos. Votamos na pessoa e não no partido e os pensamentos e interesses politicos dela vão de encontro do que eu chamo de nova politica social, isto é, voltada ao interesse do povo e não ao interesse partidario. Roberta tem e sempre terá meu voto, esteja aonde estiver.

  20. PARABÉNS PARA A ADVOGADA QUE MOSTROU A COERÊNCIA QUE SE ESPERAVA POR PARTE DE SEU PARTIDO. GOSTO DA PESSOA DO CARLITO, MAS NA POLÍTICA NÃO SE AGE “COM O FÍGADO”, PORQUE QUANDO ISSO ACONTECE É IGUAL A “DAR TIRO NO PÉ” ; NEM PODE MOSTRAR A FRAGILIDADE DE NÃO SE POSICIONAR – ENQUANTO PREFEITO – EM DETRIMENTO DE UM GRUPO INTERNO DO PT, QUE ESQUECEU O QUE É COERÊNCIA. QUE TRISTEZA!! UMA VEZ LI NA FOLHA DE S.PAULO: ” O PT PRECISA PASSAR PELO GARGALO DO PODER PARA MOSTRAR QUE É IGUAL A TODOS OS OUTROS PARTIDOS”…..POIS BEM, ESTÁ AI PARA QUEM QUISER VER!!

  21. Obrigado Cristina Nogueira, estou nesta trincheira há quatro anos e meio, e cada vez com mais leitores, graças a Deus. Conto contigo também para deixarmos o Palavra Livre cada vez melhor, moderno e interessante, valeu? Abraço!!

  22. Senhores e Senhoras,

    Como fui um dos primeiros a postar comentários sobre a matéria e o fiz com uma visão absolutamente apolítica, até porque não me caberia julgar se a Drª Roberta deveria apoiar o candidato do PSD ou o do PMDB ou mesmo ficar neutra, imagino necessário justificar meus comentários iniciais.

    O que me surpreendeu positivamente foi a postura da pessoa da Drª Roberta que, mesmo contrariando orientação partidária seguiu outro caminho, por absoluta coerencia histórica, senão vejamos:

    O candidato do PSD ao longo de toda a gestão do atual Prefeito fez criticas duras a sua gestão e principalmente a sua pessoa. Não foram poucas as vezes que declarou de forma pública que Carlito Merss era “mentiroso”, que era uma “farsa”, que não tinha “palavra”.

    Atingiu ainda outras vezes o Partido dos Trabalhadores alegando que “votei uma única vez no PT e nunca mais, estou arrependido”.

    Induziou em diversas oportunidades as pessoas a pensarem que o Prefeito patrocinava ações de desvio de conduta ao “facilitar” a vida de empresários como no caso do tranporte coletivo do municipio.

    Literalmente “esculhambou” o IPPUJ com criticas de toda ordem ao planejamento urbano.

    No primeiro turno dessas eleições, já no primeiro debate promovido pela BAND-SC foi protagonista de agressão pessoal ao Prefeito, então candidato, merecendo inclusive interverção do mediador em vista do descalabro.

    No segundo turno, após receber apoio do Partido dos Trabalhadores e questionado por jornalistas limitou-se a declarar que havia entendido necessário deixar em segundo plano suas convicções pessoas em favor da necessidade maior da coletividade e dessa forma aceitaria apoios que julgava importantes para a cidade, sem jamais ofertar uma palavra de consideração ou renúnica ao que vinha declarando aos longo dos ultimos anos.

    E mais, tudo o que relatei aqui está publicado em fato material em diversas mídias, inclusive no YOUTUBE para aqueles que julgarem que relatei coisas que não aconteceram.

    Concluindo, minha manifestação de admiração a Drª Roberta pela posição tomada foi de coerencia e coragem porque se tivesse ela aceitado a proposta de apoio do seu Partido ao candidato do PSD, estaria naturalmente dando credito a tudo que o candidato do PSD publicou.

    A mim não cabe julgar se o candidato do PSD estava certo nas criticas ou se o Prefeito estava correto na gestão, o que etendo é que um dois dois certamente estava errado e como quem patrocinou o apoio ao outro foi justamente o Prefeito, a Drª Roberta foi coerente em, na admiração a figura de Carlito Merss, negar juntar-se ao movimento para evitar a consagração da verdade nas criticas ao seu Prefeito.

    Seria possivel qualificar essa manifestação de forma diversa a coerencia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.