Minha Crônica: “Isolde” em homenagem aos 74 anos de minha mãe

Atrasado, mas ainda valendo, segue abaixo uma pequena crônica que tenta passar a força que tem essa mulher, minha mãe, Isolde da Costa. Escrita para homenagear os seus 74 anos completados dia 6 de junho, espero que seja boa leitura para todos e todas que acessam diariamente o Blog. Então, é só ler…

Eu não sei o que seria de mim sem Isolde. Melhor. Eu sequer estaria aqui para encher a paciência dos leitores com escritos por vezes ácidos, ou sem sal. Por ela vim ao mundo “bem gordo”, segundo suas próprias palavras. Com menos de um metro e meio, essa pequena brasileira com sangue de ascendentes alemães não só deu conta de gerar este jornalista, mas ainda criou os quatro “Ês” do primeiro casamento de meu pai: Ernani, Elézio, Eliete e Evelyn que ficaram órfãos de mãe ainda pequenos. Antes de casar, Isolde ainda ajudava os pais Helmut e Mercedes em casa com os irmãos Nelson, Dionísio e Lurdes. Estudou em colégio de freiras, hoje Santos Anjos, formou-se professora e chegou a ser diretora do Colégio Estadual João Colin no velho Itaum. Só parou porque casou.

A força interior, a calma combinada com firmeza, e a vontade que vem de sua alma, de servir, a fizeram deixar o seu amor pela educação pelo amor ao marido Zeny Pereira da Costa, viúvo e com os quatro filhos por criar. Eles não poderiam ter ganho mãe melhor, e meu pai, companheira melhor. Imagino com a minha chegada qual foi o peso de trabalho que essa mulher sustentou. Logo depois veio meu irmão Zeny Junior, que chegou ao mundo com problemas mentais por conta de complicações no parto. Partos, tanto meu quanto de Junior que ela enfrentou em casa com a parteira famosa, dona Helena. Que seria de mim e de Junior sem Isolde? Que seriam dos “Es” sem ela?

Junior tinha ataques de epilepsia, tinha crises em que por vezes se autoflagelava. E Isolde estava lá ao seu lado. Buscou recuperá-lo de todas as formas. Lutou por espaço em escolas onde o preconceito imperava forte na sempre provincial Joinville. Buscou apoios para tratamento psicológico, e conseguiu. Lutou por terapia ocupacional para Junior. Conseguiu. Lutou por trabalho para ele, conseguiu! Só não conseguiu deter aquela que vem sem avisar e nos leva o que temos de mais precioso, a dona morte. Contra ela, Isolde não teve como vencer. Ela, essa ceifadora de almas silenciosa, levou seu marido, levou seu enteado Elézio, levou seu pai, sua mãe, e até Junior, por quem ela daria até sua vida. Em todas as perdas, ela estava ali, firme, lutando. Eita mulher guerreira!

Eu não sei o que seria de tanta gente sem Isolde! No meio disso tudo ela encontrou algo a mais para atuar, sempre a fim de servir ao outro. Foi participar do projeto social conhecido como Cerj, atendendo crianças e adolescentes para ingresso no mercado de trabalho. Ao longo de 20 anos essa pequenina fez coisas! Empregou milhares de adolescentes em convênios que arrumava via Prefeitura com Banco do Brasil, Correios, Akros e tantos outros. Dedicou-se tanto que esqueceu de si mesma. Dois anos após perder seu amado filho Junior, toda essa força empregada para ajudar aos outros não impediu outro ceifador de vidas silencioso, o AVC, comparecesse e a tentasse levar para outra dimensão. Mas não conseguiu. Passou 30 dias acamada no Zequinha, mas saiu dessa.

O que seria de mim sem Isolde? Acompanhei toda a sua luta de perto junto com muita gente boa como dona Marli, tia Ilse, a enfermeira Emidia, Ana, a prima Andreia, tia Lurdes, e ela ressurgiu como a Fênix. Acolheu-me em casa após minha separação, e lentamente junto com seus netos Gabriel, Lucas e João Pedro, foi se recuperando pouco a pouco. Com seus ensinamentos, fui redescobrindo o caminho que sempre deveria ter seguido, que era meu. Com a chegada de minha amada Gi e sua filha Rayssa, as melhoras foram cada vez mais significativas, e hoje ela já passa roupa, lava louça, faz pão e bolinho de banana, e até sopa já rolou pela cozinha!

Essa é minha mãe, Isolde, que me orgulha a cada dia, mesmo com suas manias no alto de seus 74 anos, muito bem vividos a cada etapa. Com coragem, força, determinação e sabedoria, ainda vai deixar muita coisa boa prá gente! Afinal, o que seria de nós sem Isolde?”

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

2 comentários em “Minha Crônica: “Isolde” em homenagem aos 74 anos de minha mãe”

  1. Abração irmão Julio Marim! Sei que você conhece parte desta história, e dona Isolde tem muito carinho por você, sabes disso. Obrigado por participar mais uma vez, receba o abraço carinhoso também!

  2. ola,
    bom dia,

    parabens por esta materia.
    conheço uma boa parte desta historia.

    abraço
    com carinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.