CPMI do Cachoeira mira nos sigilos bancário e telefônico de Demóstenes

Os sigilos bancário e telefônico do senadorDemóstenes Torres (ex-DEM) poderão ser quebrados, como uma das primeiras providências da CPMI do Cachoeira, tão logo seja instalada no Congresso nesta quinta-feira, às 10h30. A sugestão é de um dos funcionários do Senado, com larga experiência na formação de comissões parlamentares de inquérito. A movimentação financeira e os contatos mantidos pelo parlamentar e seus familiares, juntamente com o dos demais suspeitos, entre eles o governador de Goiás, Marconi Perillo, de Brasília, Agnelo Queiroz, e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho; além do empresário Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, empresa na qual Demóstenes atuava como “sócio oculto”, segundo denúncia do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Segundo escutas que integram o relatório do Ministério Público Federal sobre o senador que liderava o DEM, o parlamentar usava o cargo para negociar projetos milionários para a Delta. Um deles, no valor de R$ 8 milhões, consta de uma ligação telefônica entre o senador e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Demóstenes relatava o pedido ao prefeito de Anápolis (GO), Ernani de Paula, para que favorecesse a empresa de engenharia ligada ao bicheiro goiano..

– Falei pra ele… que ele desse preferência para vocês – diz.

Um dia depois da conversa com Demóstenes, Cachoeira repassa o negócio que fora encaminhado para um diretor da Delta. Segundo Gurgel, há evidências suficientes de que Demóstenes mantinha uma participação ativa na empresa que, desde 2007, é a que mais recebeu recursos do governo federal e dos Estados de Goiás e do Rio de Janeiro, principalmente em obras ligadas ao Programa de Aceleração do Crescimento.

Os advogados de Demóstenes negam pedido de favorecimento à empresa e dizem que não há qualquer relação entre eles.

Investigação

O Conselho de Ética do Senado deverá enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) novo pedido para ter acesso a informações sobre a investigação que apura o envolvimento do senador Demóstenes com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Os senadores pretendem mudar os termos do requerimento: desta vez, vão solicitar trechos das investigações, em vez da íntegra do procedimento. O assunto será discutido em reunião do Conselho de Ética convocada para esta quinta-feira.

Na semana passada, o ministro Ricardo Lewandowski, que relata o caso, negou o acesso dos documentos ao Conselho de Ética, alegando que essas informações são sigilosas e, por isso, só poderiam ser repassadas a uma comissão parlamentar de inquérito (CPI).

A orientação para os termos do novo pedido foi feita pelo próprio Lewandowski, que recebeu na noite passada o presidente do Conselho, Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), o relator da representação contra Demóstenes, Humberto Costa (PT-PE), e o corregedor do Senado, Vital do Rêgo (PMDB-PB). Os senadores argumentaram que o STF já havia compartilhado informações sobre investigação contra o ex-senador Luiz Otávio (PMDB-PA), também alvo à época do Conselho de Ética.

Do Correio do Brasil

Salvador Neto

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 25 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. No voluntariado, foi diretor voluntário da APAE. Escreve para vários veículos de comunicação, entre eles o jornal ND, Portal ND+ e Grupo ND em Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.