Perda de memória ou Alzheimer?

A doença de Alzheimer, conhecida pela perda progressiva de memória, é temida por grande parte das pessoas que geralmente confunde esse tipo de distúrbio com outros problemas de memória, comuns aos idosos. Segundo a neurologista do Hospital Santa Cruz, Viviane Zétola, só 5% dos casos na terceira idade são diagnosticados como “puros”, ou seja, a maior parte das pessoas são acometidas pelo tipo “misto” do distúrbio, que integra o Alzheimer a outras doenças cerebrovasculares, como o infarto cerebral.

 “Precisamos ter em mente que perda de memória não é sinônimo de Alzheimer. Geralmente os portadores da doença no seu estado puro perdem as funções gradativamente e não conseguem realizar simples atividades rotineiras. Já os problemas relativos a esquecimento são constatados com o avançar da idade e podem ter a ver com déficit de atenção e falta de concentração, normalmente causados pelo estresse, doenças vasculares cerebrais, distúrbios na tireóide ou déficit de vitamina B12, por exemplo”, alerta a especialista.

Segundo a neurologista, para afirmar que alguém é portador de Alzheimer é necessário que haja um comprometimento associado à outra função cerebral, como problemas na linguagem, no comportamento, no senso crítico e de julgamento ou na orientação espacial. Além disso, devem ser realizados exames específicos, como o de imagem cerebral e testes de linguagem, feitos por profissionais especializados.

Prevenção

Apesar da medicina ainda não ter encontrado a cura para a doença, a especialista acredita que a prática de atividades físicas adequadas pode ter influência para evitar ou retardar o aparecimento do Alzheimer. “A adoção de uma alimentação saudável, evitando comidas gordurosas e bebida alcoólica, atrelada ao hábito de manter-se ativo no contexto cultural, por meio de leituras ou atividades sociais e manuais, contribuem com a qualidade da memória e com a saúde cerebral”, explica a neurologista.

No entanto, se você possui algum caso de portador de Alzheimer na família, é importante procurar acompanhamento médico para evitar acidentes e estresse familiar e emocional. “A contratação de cuidadores familiarizados com a doença pode ser uma boa opção para o paciente. Além disso, é imprescindível o uso de medicação adequada e manter os idosos socialmente ativos, para aumentar a qualidade de vida do portador”, ensina a especialista.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.