Iniciativa da ONU quer chamar a atenção para populações que dependem da floresta para viver

“Proteja a Floresta. Ela Protege Você”. Esse é o lema, no Brasil, do Ano Internacional das Florestas. Além de chamar a atenção da sociedade para a questão da conservação ambiental, a iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), que declarou 2011 como Ano Internacional das Florestas, pretende colocar no centro do debate as pessoas que dependem das florestas para viver. A estimativa é que haja 1,6 bilhão de pessoas nessa situação em todo o mundo.
No Brasil, várias comunidades têm na floresta sua forma de subsistência. É o caso de quilombolas, ribeirinhos, indígenas e extrativistas – comunidades que serão retratadas em uma série de matérias produzidas pelo Radiojornalismo da EBC e publicadas hoje (19) pela Agência Brasil.

Definidas como territórios com vegetação cerrada e árvores de grande porte, as florestas cobrem 31% da área do planeta, servem de abrigo para 300 milhões de pessoas e respondem por 80% da biodiversidade de todo o mundo, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

O diretor do Departamento de Florestas do Ministério do Meio Ambiente, João de Deus Medeiros, afirma que a instituição dessa data pela ONU é fundamental para o Brasil, que detém a segunda maior extensão de florestas do planeta, atrás apenas da Rússia, e a maior área de floresta tropical do mundo. “Ter um reconhecimento internacional do ano das florestas coloca no calendário mundial a evidência com relação à necessidade de termos uma política que consiga conciliar o desenvolvimento com a conservação das florestas.”

Medeiros considera que o Brasil deve liderar a luta mundial pelo melhor relacionamento do homem com os recursos naturais, assumindo o protagonismo.

O diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Antônio Carlos Hummel, garante que o Brasil já está virando modelo para outros países quanto à gestão das florestas, que cobrem 61% do território brasileiro. Ele cita o sistema de monitoramento do desmatamento, feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e o processo de concessões florestais. “Temos também um plano anual de manejo florestal comunitário, ou seja, mostrar que aquelas populações tradicionais, que vivem em florestas, aquelas populações familiares que vivem em assentamentos rurais, podem ter uma propriedade rural em floresta e podem explorar isso de forma sustentável.”

Outra novidade é o Inventário Florestal Nacional, que começou a ser feito este ano no Brasil. Hummel explica que, com o levantamento, será possível conhecer a extensão e a qualidade das florestas brasileiras, além de quantificar as pessoas que tiram o sustento de produtos florestais.

A encarregada do Fórum sobre Florestas da ONU, Bárbara Távora-Jainchill, lembra que todos devem contribuir para a conservação do meio ambiente. “Não se pode pensar apenas nessas grandes florestas, da Amazônia, da Bacia do Congo, do Sudeste Asiático, florestas também são essas árvores que estão no meio das cidades, e que fazem uma diferença na qualidade do ar, na água.”

Observatório Social

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.