Papéis antigos revelam poema de Augusto dos Anjos – Versos Íntimos

augusto_dos_anjosDiferentemente do que parece, não encontrei uma relíquia original do poeta paraibano, Augusto dos Anjos, morto em Leopoldina, Minas Gerais, aos 30 anos (1884-1914) por entre documentos perdidos em alguma biblioteca.

Poeta crítico, sua obra foi utilizada em aulas de literatura que tive há dez anos com o professor Jorge Campos, e fiz anotações sobre a aula. A descoberta foi essa, entre meus papéis (e acreditem, são muitos!) encontrei essa poesia, dura, direta, escrita com minha letra, que reproduzo aos leitores do blog:

“Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera
Somenta a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga, é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa ainda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!”

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.