Padroeiro? Por isso Joinville não muda

Essa pseudo-polêmica da aprovação de um padroeiro para Joinville, a maior cidade catarinense, é uma daquelas bobagens que não deveriam valer nem nota nas páginas de jornais. É inacreditável que no século 21 isso ainda seja objeto de debate, projeto de lei ou coisa parecida. A cidade precisa é de ação, obras, lazer, cultura, generosidade.

Diminuir o debate a isso, a denominação de padroeiro ou não, é coisa para uma sociedade que não tem assunto. Que não compreende o mundo em que vivemos. Que se deixa levar por argumentos da religião e deixa de lado a realidade. Respeito a todas as religiões, credos, crenças, mas uma cidade desse porte não pode perder tempo com isso. É pequeno demais. Legislar sobre isso então é conservador ao extremo. As igrejas cuidam de seus fiéis. Seus pastores, padres, líderes, sabem como e porque agir nas suas áreas, com seus rebanhos.

É por essas e outras que Joinville ainda não tem viadutos, elevados, faltam leitos em hospitais, vagas nas creches, esgoto à céu aberto vence e a saúde perde, faltam ciclovias, as drogas ganham a juventude, áreas de lazer somem no meio de tanta urbanidade. A cidade precisa crescer, parar de pensar pequeno. Seus legisladores têm de ter consciência, estudar mais, atualizar conhecimentos e partir para inovar. A cidade chora a falta de visão de nossos líderes.

Padroeiro? Quem precisa de um para viver? Senhores, e senhoras, por favor, vamos elevar o debate, Joinville clama por isso.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.