A arte de ouvir e escutar

abreu071105Quero compartilhar com os leitores um pouco do que penso da comunicação. Desde pequeno aprendi a ouvir os sons, escutar o seu significado, o tom. Aprendi também que para ser entendido, principalmente, preciso ouvir e escutar bastante, dar atenção ao outro. Por vezes me vejo perdendo essa capacidade, e isso me acarreta problemas. Todos devem ter passado por situação em que não conseguiu se fazer entender, ou mesmo, sequer prestou atenção em algo, no trabalho, escola, atendimento, ou até da sua companheira ou companheiro.

Escutar não é ouvir. Ouvir a gente ouve o que é dito no campo do significado estrito das palavras. Bola é bola, coca é coca, mulher é mulher. Escutar é bem diferente e requer treino, autoconhecimento e conhecimento do outro. Escutar é do campo da significação das coisas para cada um, diferente para cada um sempre. Ouvir é do campo dos sentidos e Escutar é do campo do Inconsciente. Escutamos sem precisar ouvir. A Escuta é muitas vezes silenciosa, escuta–se o não verbal, a entrelinha, o gesto, a atuação.

Quantas vezes já me vi em situações de discussão – nem sempre com bons resultados – em que a pessoa falou o que bem entendeu, e eu mais do que a ouvir, a escutei atentamente. Vi seus gestos, percebi o olhar, a indignação. Entendi então o que ela queria dizer, passar, se comunicar. Após tantos anos de profissão, desde o balcão do bar de meu pai no bairro Floresta em Joinville (SC) ouvindo de tudo, escutando bastante, até hoje em inúmeros atendimentos de todos os níveis, tenho a certeza ainda maior de que cada vez mais precisamos aprender a nos comunicar.

Comunicação, ou a falta dela, é a responsável por tantas barbaridades que vemos nos jornais, telejornais, em festas, empresas, em qualquer trabalho. Nessa hora de decidir o voto em quem vai governar o nosso país por quatro anos, é preciso mais do que ouvir, escutar muito e atentamente.

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.