Greve geral paralisa a França

Na onda da vitória dos partidos de esquerda nas eleições gerais do último domingo, os trabalhadores franceses entraram em greve ontem. Os sindicatos esperam que suas ações coloquem um freio nas reformas planejadas pelo presidente Nicolas Sarkozy, dois dias depois de seu partido ser derrotado nas urnas.

Cerca de 80 passeatas serão realizadas em todo o país para defender o aumento do poder aquisitivo e, sobretudo, protestar contra a reforma da previdência, que começa a ser discutida em abril. Os sindicatos dizem que o governo conservador de Sarkozy não ofereceu planos satisfatórios no que diz respeito a empregos, salários, poder de compra e condições de trabalho.

Isso tudo foi agravado pelo aumento do desemprego no país, o que fez crescer o descontentamento com o presidente francês. Ele passou a ser criticado dentro do seu eleitorado tradicional de direita e no seu próprio partido.

Terceiro turno
Os protestos atingiram principalmente os transportes, escolas e correios e  tiveram a participação de trabalhadores do setor privado. Cerca de 30% dos professores da escola primária não compareceram às aulas em todo o país. Segundo a direção da estatal ferroviária, 28% dos funcionários pararam.

Os jornais franceses questionam se a mobilização desta terça-feira poderia representar um “terceiro turno”, desta vez social, para o presidente Sarkozy, após os dois turnos das eleições regionais.

Das agencia internacionais

Autor: Salvador Neto

Jornalista, escritor, e consultor. Editor do Palavra Livre, apresentou o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET entre 2012/2014 e vários programas de rádio em SC. Tem mais de 30 anos de experiência nas áreas de jornalismo, comunicação, marketing e planejamento. É autor dos livros Na Teia da Mídia (2011) e Gente Nossa (2014). Tem vários textos publicados em antologias da Associação Confraria das Letras, onde é membro fundador e foi diretor de comunicação. Como freelance, escreve para vários veículos de comunicação do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.